"Uma princesa não fuma". BE contra filme "desajustado" e "sexista"

Os deputados do Bloco de Esquerda questionaram hoje o Governo sobre a campanha antitabágica que começou a ser divulgada na quarta-feira, perguntando se reconhece ser sexista e se admite revê-la.

Na pergunta que o Bloco enviou ao Ministério da Saúde também se considera que a campanha "confunde público-alvo com discriminação", usa estereótipos e apresenta o tabagismo através de uma "simplificação perigosa" quando diz a frase "Deixe de fumar, opte por amar mais".

"Apresentar uma dependência como um ato de vontade simples, associado a amor, é culpabilizador da pessoa fumadora e simplificador do processo árduo e complexo que é deixar de fumar", dizem os deputados do Bloco que assinam a pergunta ao Governo.

A campanha "Uma princesa não fuma" mostra o relacionamento entre uma mãe fumadora e uma filha e começou a ser exibida na quarta-feira, no mesmo dia em que a deputada socialista Isabel Moreira defendeu que o Ministério da Saúde deveria retirar o vídeo porque a campanha é "misógina e culpabilizante das mulheres".

Hoje, a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, explicou que a campanha visa diminuir o consumo de tabaco nas mulheres mais jovens, que são quem mais está a fumar.

Relativamente ao slogan "opte por amar mais", a diretora-geral da Saúde esclareceu que se refere ao bem-estar, ao amor à vida e não a terceiros.

O Bloco, tal como Graça Freitas também tinha lembrado, reconhece que o consumo do tabaco é um dos mais graves problemas de saúde pública e cita mesmo dados da Direção Geral da Saúde.

O FILME "POLÉMICO"

O BE considera que "pensar uma campanha de prevenção do tabagismo centrada no papel da mulher mãe, que se deve sentir culpada da pelo meu exemplo que está a passar à filha, é sexista e culpabilizador da mulher".

O partido critica também a forma "estereotipada" como é tratado o papel das meninas filhas, "uma vez que a menina é vista como uma princesa".

"O Bloco de Esquerda considera que esta campanha é desajustada, assentando numa imagem sexista das mulheres e meninas. É possível fazer uma campanha dirigida a mulheres e meninas sem que seja sexista. Não é o caso desta", dizem os deputados do Bloco.

A frase mais forte desta curta-metragem dramática e até chocante é quando a mulher doente se dirige à filha e diz: "Promete-me que vais ser sempre a minha princesa. E lembra-te, uma princesa não fuma".

Esta campanha surge quatro anos depois de um estudo ter revelado que o número de mulheres fumadoras tem aumentado, ao contrário do que acontece nos homens.

O objetivo do Ministério da Saúde é mesmo "travar o aumento do consumo do tabaco nas mulheres", conforme é referido em comunicado.

José Ribeiro e Castro, no Twitter, diz que o governo não deve ceder à pressão da "censura".

Um em cada cinco portugueses fuma e o consumo entre as mulheres continua a crescer. A cada 50 minutos morre um português por doenças associadas ao tabaco.

Refira-se que esta campanha já foi elogiada pela Organização Mundial de Saúde, nomeadamente pela diretora do programa de controlo de tabaco, Kristina Mauer Stander, que considerou o filme "comovente" e que representa uma campanha "impactante e inovadora" no combate ao tabagismo.

A curta-metragem "Opte Por Amar Mais" foi realizada por André Badalo, produzida pela Original Features e será exibida na televisão no último trimestre deste ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.