Bloco ataca PCP por causa de herbicida: "Sectarismo faz mal à saúde"

Nelson Peralta, dirigente do BE, critica comunistas por terem votado ao lado de PSD e CDS contra a proposta que visava banir a utilização do glifosato

O PCP votou esta quarta-feira contra a proposta do Bloco de Esquerda (BE) para banir a aplicação de produtos que contenham glifosato em zonas urbanas, de lazer e vias de comunicação mas os bloquistas já reagiram. E com estrondo. Num artigo publicado no esquerda.net, Nelson Peralta, dirigente do BE, critica o partido liderado por Jerónimo de Sousa e atira, logo no título: "Glifosato: o sectarismo faz mal à saúde".

Peralta, que integra a Mesa Nacional do BE, o órgão máximo entre convenções, salienta que "a surpresa" na votação que ditou o chumbo do projeto "veio do PCP" e recorda que há um mês, quando outro diploma do Bloco sobre aquela matéria foi a votos na Assembleia da República, os comunistas se abstiveram. E sustenta: "A 15 de abril foi votada a proposta do Bloco de proibir totalmente a utilização de glifosato, em espaço público e na agricultura. O PCP absteve-se. Agora, perante uma proposta mais limitada (apenas a proibição no espaço público), o PCP votou contra."

"O que mudou?", questiona Nelson Peralta de forma retórica, tratando logo de responder: "Agora o seu voto fazia a diferença. Há um mês, na proposta mais ampla, o voto do PCP não era decisivo. Hoje, teria bastado o PCP repetir a abstenção para viabilizar o projeto-lei, uma vez que o PS anunciou o seu voto favorável. Quando o seu voto poderia mudar a vida das pessoas, o PCP optou por deixar à União Europeia a decisão que podia ser tomada em Portugal."

Isto porque, assinala o dirigente do BE, a União Europeia decide esta quinta-feira sobre a renovação da licença de glifosato, que terminará a 30 de junho, e "a expectativa é baixa sobre a proteção da saúde pública". Mas Peralta vai mais longe ao realçar que nas Assembleias Legislativas Regionais dos Açores e da Madeira o PCP apresentou propostas para a proibição total do glifosato, que "a Câmara Municipal de Évora, presidida pelo PCP, anunciou que já deixou de usar" o herbicida e que em várias assembleias municipais do país os comunistas se têm oposto à utilização do glifosato.

Daí, a conclusão de Peralta: "O PCP não chumbou o projeto-lei porque a ideia era má. A proposta era má porque vinha do Bloco. É caso para dizer que o sectarismo faz mal à saúde."

Recorde-se que os comunistas votaram ao lado do PSD e do CDS, o que ditou a reprovação do articulado do BE, apesar da luz verde do PS, PEV e PAN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.