Lesados do BES em protesto na conferência de Barack Obama no Porto

Grupo escreveu uma carta ao ex-presidente norte-americano a dar conta da "burla" de que foram vítimas

O Grupo de Lesados do Novo Banco vai manifestar-se a dia 06 de julho em frente do Coliseu do Porto, no mesmo dia em que o ex-Presidente dos Estados Unidos Barack Obama fará uma conferência no local.

Em comunicado, este grupo de lesados do papel comercial vendido pelo BES e lesados emigrantes refere que enviou uma carta a Barack Obama e à sua mulher, Michelle Obama, a contarem que foram vítimas de vendas fraudulentas ('misselling') de produtos financeiros pelo BES e que foram "burlados e vigarizados com informação continuamente falsa" dada pelo Banco de Portugal.

"Estamos a dar-lhe a conhecer o drama que estamos a viver, devido à burla na informação falsa continuada, à expropriação que estamos a ser sujeitos, à burla com desvio de provisões que passaram para o Novo Banco, e este utilizou para outros fins, e não devolve o que nos roubaram, com a passividade do Governo e das autoridades competentes", referem os lesados na carta a que a Lusa teve acesso, em que referem ainda que o Novo Banco é agora detido maioritariamente pelo fundo de investimento norte-americano Lone Star.

Este mês foi pago aos quase 2.000 lesados do papel comercial vendido pelo BES, pelo fundo de recuperação de créditos, a primeira parcela das indemnizações que visam compensar parcialmente as suas perdas.

Contudo, a solução encontrada (entre a associação de lesados, Governo, CMVM, Banco de) prevê apenas o pagamento de 75% das aplicações até 500 mil euros (com limite de 250 mil euros) e de 50% para valores acima de 500 mil euros.

Contudo, estes lesados continuam a exigir a devolução na totalidade dos montantes que perderam (até porque de início lhes foi dito que o Novo Banco tinha ficado com uma provisão do BES nesse sentido) e já fizeram várias manifestações este ano.

O BES, tal como era conhecido, acabou em 03 de agosto de 2014, quatro dias depois de apresentar um prejuízo semestral histórico de 3,6 mil milhões de euros.

Milhares de pessoas ficaram lesadas devido a investimentos feitos no banco ou a empresas do Grupo Espírito Santo.

O Banco de Portugal, através de uma medida de resolução, tomou conta da instituição fundada pela família Espírito Santo e anunciou a sua separação e criou o Novo Banco, que em outubro passado foi vendido em 75% à Lone Star.

A conferência que traz em julho o antigo presidente norte-americano Barack Obama ao Porto é a "Climate Change Leadership Porto Summit 2018", sobre alterações climáticas, a decorrer no Coliseu do Porto a 06 de julho, promovida por entidades públicas e privadas.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?