Lesados do BES em protesto na conferência de Barack Obama no Porto

Grupo escreveu uma carta ao ex-presidente norte-americano a dar conta da "burla" de que foram vítimas

O Grupo de Lesados do Novo Banco vai manifestar-se a dia 06 de julho em frente do Coliseu do Porto, no mesmo dia em que o ex-Presidente dos Estados Unidos Barack Obama fará uma conferência no local.

Em comunicado, este grupo de lesados do papel comercial vendido pelo BES e lesados emigrantes refere que enviou uma carta a Barack Obama e à sua mulher, Michelle Obama, a contarem que foram vítimas de vendas fraudulentas ('misselling') de produtos financeiros pelo BES e que foram "burlados e vigarizados com informação continuamente falsa" dada pelo Banco de Portugal.

"Estamos a dar-lhe a conhecer o drama que estamos a viver, devido à burla na informação falsa continuada, à expropriação que estamos a ser sujeitos, à burla com desvio de provisões que passaram para o Novo Banco, e este utilizou para outros fins, e não devolve o que nos roubaram, com a passividade do Governo e das autoridades competentes", referem os lesados na carta a que a Lusa teve acesso, em que referem ainda que o Novo Banco é agora detido maioritariamente pelo fundo de investimento norte-americano Lone Star.

Este mês foi pago aos quase 2.000 lesados do papel comercial vendido pelo BES, pelo fundo de recuperação de créditos, a primeira parcela das indemnizações que visam compensar parcialmente as suas perdas.

Contudo, a solução encontrada (entre a associação de lesados, Governo, CMVM, Banco de) prevê apenas o pagamento de 75% das aplicações até 500 mil euros (com limite de 250 mil euros) e de 50% para valores acima de 500 mil euros.

Contudo, estes lesados continuam a exigir a devolução na totalidade dos montantes que perderam (até porque de início lhes foi dito que o Novo Banco tinha ficado com uma provisão do BES nesse sentido) e já fizeram várias manifestações este ano.

O BES, tal como era conhecido, acabou em 03 de agosto de 2014, quatro dias depois de apresentar um prejuízo semestral histórico de 3,6 mil milhões de euros.

Milhares de pessoas ficaram lesadas devido a investimentos feitos no banco ou a empresas do Grupo Espírito Santo.

O Banco de Portugal, através de uma medida de resolução, tomou conta da instituição fundada pela família Espírito Santo e anunciou a sua separação e criou o Novo Banco, que em outubro passado foi vendido em 75% à Lone Star.

A conferência que traz em julho o antigo presidente norte-americano Barack Obama ao Porto é a "Climate Change Leadership Porto Summit 2018", sobre alterações climáticas, a decorrer no Coliseu do Porto a 06 de julho, promovida por entidades públicas e privadas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.