Benfica pede que Vale e Azevedo seja julgado

O Benfica, constituído assistente no julgamento de Vale e Azevedo, pediu ao Ministério Público (MP) que o antigo presidente do clube seja julgado por peculato de mais quatro milhões de euros, na 3.ª Vara Criminal de Lisboa.

Vale e Azevedo optou por não estar presente neste julgamento, alegando que não pode ser julgado por factos anteriores ao processo de extradição de Londres para Portugal, e a sua advogada, Luísa Cruz, já anunciou que impugnará o acórdão deste processo que envolve o Benfica.

Em requerimento a que a agência Lusa teve acesso, o mandatário do Benfica, José Marchueta, pede que o MP proceda à "solicitação do consentimento da autoridade judiciária do Reino Unido", que decidiu a extradição de Vale e Azevedo, para que o antigo presidente não possa usufruir da faculdade da lei para não ser julgado.

José António Marchueta pretende "que fique prevenida e coberta a hipótese de sobrevir a condenação" de Vale e Azevedo, no julgamento de apropriação de mais de quatro milhões de euros do Benfica.

O advogado considerou ainda não existirem fundamentos para o requerimento de Vale e Azevedo para anulação do julgamento, e o coletivo de juízes comunicará, na próxima terça-feira, se rejeita ou aceita.

Presidente do Benfica de 1997 a 2000, João Vale e Azevedo está a ser julgado também por branqueamento de capitais e falsificação de documento neste processo, em que é acusado de se apropriar de verbas resultantes de futebolistas, algumas das quais para pagamento de tranches do iate que adquiriu na altura, o "Lucky Me".

Depois de mais de quatro anos e quatro meses em Londres, com passaporte confiscado, proibido de sair do Reino Unido e obrigado a pernoitar na residência na capital inglesa, Vale e Azevedo foi extraditado para Portugal a 12 de novembro, no âmbito do cúmulo jurídico fixado em cinco anos e meio.

Preso no Estabelecimento Prisional da Carregueira (Sintra), Vale e Azevedo, condenado nos processos Euroárea/Ovchinnikov, Ribafria e Dantas da Cunha, aguarda que o Tribunal de Execução de Penas se pronuncie sobre pedido de liberdade condicional.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.