Beneficiários da ADSE usam cada vez mais a saúde privada

Gasto médio por utente tem subido nos últimos anos, mas o setor calcula que o aumento em 2015 seja de 10%, com procura de serviços mais especializados e complexos.

Os beneficiários da ADSE estão a recorrer mais às unidades privadas, em alternativa às unidades do Serviço Nacional de Saúde. Só este ano, terá havido "um aumento de 10% da despesa média por utente" do subsistema de saúde dos funcionários públicos, calcula Artur Osório Araújo, o presidente da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP). A subida da despesa tem-se registado nos últimos anos, revelando uma maior satisfação com os cuidados prestados e com a atual rede de prestadores, segundo refere a própria ADSE.

O subsistema de saúde, que abrangia 1 347 597 utentes em 2014 e que poderá aumentar - caso avance o alargamento aos cônjuges, dependentes até 30 anos e setor empresarial do Estado -, tem feito crescer o privado, na procura de serviços e resultados financeiros.

Artur Osório Araújo diz que "os utentes com ADSE já recorrem na quase totalidade aos serviços dos privados. Tem sido progressivo o aumento de despesa nos últimos anos, mas em 2015 temos indicação de que os gastos médios por utente terão subido mais de 10%".

O relatório de atividades de 2014, mostra um crescimento dos custos médios nos últimos cinco anos. O gasto por doente subiu 18,5% de 2009 a 2014, chegando a 361,7 euros. Mas esta subida é muito superior no regime que é mais usado, que é o convencionado

Quem tem ADSE pode beneficiar dos serviços de duas formas: uma delas é recorrendo à rede que já tem convenção com a ADSE, o sistema preferido pelos utentes e que está em crescimento. Neste caso, a despesa subiu 46,5% em cinco anos e 5,9% de 2013 para 2014. Pelo contrário, o regime livre, em que o utente escolhe a unidade de saúde onde quer ir e depois solicita o reembolso à ADSE, está em queda, com um custo de 124 euros por utente em 2014 (menos 4,7% num ano). Neste caso, a ADSE cobra 80% da despesa. Em ambos os casos, o utente suporta parte.

Na rede, os beneficiários chegam a pagar menos do que os utentes do SNS pelos serviços. Uma consulta custa 3,99 euros e não os cinco do centro de saúde ou os 7 a 10 euros dos hospitais. Só na urgência a diferença é menos significativa.

O presidente da APHP refere que quem tem ADSE "vai cada vez mais ao privado e menos do que ao público". E o crescimento nota-se mesmo em áreas de crescente complexidade, como a oncologia ou a cirurgia mais especializada como a cardiotorácica ou os tratamentos a enfartes".

O setor irá beneficiar de medidas previstas em Orçamento do Estado, como o alargamento deste sistema aos cônjuges e setor empresarial do Estado, mas esperam-se novas mudanças a meio do ano, já que o Ministério da Saúde nomeou uma comissão para a reforma da ADSE, coordenada por Pedro Pita Barros. O responsável aguarda com expectativa as mudanças. "É importante garantir a sustentabilidade, mas não pode ser só à custa dos privados. Uma consulta pela ADSE custa 20 euros e pode ser duas, três ou quatro vezes mais baixa do que o valor que é pago aos hospitais públicos."

Preço por doente em estudo

A APHP está neste momento a negociar com os responsáveis da ADSE "para estabelecer um preço compreensivo por doente e por patologia, como já acontece por exemplo com os seguros por acidente de trabalho". O objetivo é fechar a negociação ainda este ano, "para permitir que haja preços por pacote de tratamentos em ortopedia, oncologia, oftalmologia, entre outras, que incluam consultas, exames e cirurgias". Uma das vantagens é evitar pagamentos distintos consoante as diversas unidades.

Seguro de saúde ou ADSE?

A contribuição dos beneficiários da ADSE passou de 2,5% do salário para 3,5% em 2014, o que significa que nos salários mais altos pode compensar mais ter um seguro privado do que descontar para este subsistema, concluiu a Entidade Reguladora da Saúde num estudo. Também para os funcionários públicos solteiros e, aos jovens, ou sem filhos é melhor aposta contratualizar um seguro (ver em cima).

Ler mais

Exclusivos