Bebé de 18 meses desaparecido. "Está tudo em aberto", diz PJ

Um bebé de ano e meio desapareceu cerca das 20:00 de terça-feira da casa dos pais em Serzedelo, Póvoa de Lanhoso, distrito de Braga

Um rapaz de ano e meio está desaparecido desde a noite de terça-feira de casa dos pais em Serzedelo, Póvoa de Lanhoso. As buscas foram retomadas esta manhã, já com o auxílio de equipas cinotécnicas, depois de terem sido interrompidas às 4:00, embora se tenha mantido efetivo policial no local durante toda a noite.

"Estamos no terreno, ainda não paramos", afirmou à agência Lusa o coordenador da Polícia Judiciária de Braga, Gil Carvalho.

A criança, de nome Iuri, estava a brincar no exterior da habitação com o pai e as duas irmãs, os quais se deslocaram momentaneamente ao interior da casa. Terá sido nesse momento que o bebé desapareceu, segundo explicou aos jornalistas, ainda durante a noite, o comandante dos Bombeiros de Póvoa de Lanhoso.

Já esta manhã, o mesmo responsável, António Veloso, indicou que as buscas decorriam na mesma zona de ontem e afirmou que a esperança era "encontrar a criança viva e entregá-la aos pais". "A esta hora deve estar com fome, temos expectativas de ouvir um choro a qualquer momento", acrescentou.

"A criança tem 18 meses, achamos que não teria andado muito", disse ainda, confirmando que Iuri ainda tem dificuldades de locomoção, visto ter começado a andar há relativamente pouco tempo.

Além dos bombeiros, também a GNR efetuaram ainda ontem buscas para encontrar a criança. "Estamos a alargar o perímetro de segurança. Estava a 500 metros, vamos alargar para um quilómetro", explicou o mesmo responsável, dando conta das dificuldades do terreno: casas desabitadas, campos agrícolas, poças de água para regadio, além da falta de iluminação durante a noite.

A criança não tinha ainda jantado e vestia roupa fresca, adequada ao tempo quente que se faz sentir durante o dia.

A investigação abrange todos os cenários, desde rapto a crime, passando pela possibilidade de a criança ter desaparecido pelo próprio pé, embora a família não acredite que isso possa ter acontecido.

Ainda durante a noite, segundo avança o Jornal de Notícias, o pai, a mãe e um amigo da família foram transportados para o posto da GNR da Póvoa de Lanhoso, tendo a habitação sido selada. A família estaria sinalizada pela segurança social de Braga.

O Correio da Manhã avança que o pai do bebé foi levado pela Polícia Judiciária durante a madrugada, tendo sido ouvido durante cerca de três horas.

O coordenador da PJ de Braga confirmou que o pai assim como "outras pessoas" estão a ser ouvidas, mas não adiantou qualquer hipótese para o que possa ter acontecido.

"Está tudo em aberto, estamos no terreno e não vamos desistir", frisou.

Em declarações à agência Lusa, uma fonte do Comando Operacional das Operações de Socorro (CDOS) de Braga adiantou que o alerta para o desaparecimento do menino foi dado às 22:00 de terça-feira, tendo sido iniciadas buscas em redor da aldeia de Serzedelo, mas que foram posteriormente suspensas.

Nas buscas estiveram envolvidos quase três dezenas de bombeiros da Póvoa de Lanhoso, GNR e Polícia Judiciária.

Em outubro do ano passado, num caso semelhante, um rapaz de dois anos desapareceu de casa dos avós, em Ourém. Foi encontrado na manhã do dia seguinte, numa zona de mato, a cerca de dois quilómetros de distância.

(Notícia atualizada às 10:15 com declarações do comandante dos bombeiros)

Ler mais

Exclusivos

Premium

adoção

Técnicos e juízes receiam ataques pelas suas decisões

É procurador no Tribunal de Cascais há 25 anos. Escolheu sempre a área de família e menores. Hoje ainda se choca com o facto de ser uma das áreas da sociedade em que não se investe muito, quer em meios quer em estratégia. Por isso, defende que ainda há situações em que o Estado deveria intervir, outras que deveriam mudar. Tudo pelo superior interesse da criança.