BE quer saber se hospital de Cascais usa material de pior qualidade

Pergunta já seguiu para o ministério. Hospital afirma que é escrutinado pelo Estado

O Bloco de Esquerda (BE) questionou o Ministério da Saúde por causa de alegadas infrações cometidas pelo hospital de Cascais. São denúncias sobre vários profissionais a recibos verdes e de manipulação de indicadores de atividade. A administração do hospital afirma que é "escrutinada minuciosamente pelo Estado". Esta parceria público-privada (PPP) tem de ser revista até ao final do ano.

Nesta semana o DN revelou o resultado do relatório da Unidade Técnica de Acompanhamento de Projetos, que concluiu que a PPP foi vantajosa, mas que deve ser lançado um novo concurso para uma nova gestão privada.

Na pergunta, disponível no site da Assembleia da República, o BE diz que recebeu denúncias de enfermeiros e outros profissionais a recibos verdes sobre o uso deste mecanismo para pagar horas extras aos médicos com vínculo à instituição, aquisição de material mais barato e de pior qualidade, manipulação de indicadores como o cancelamento de tempos operatórios, obrigando os médicos a usar esses tempo para a realização de consultas para atingir o valor de produção contratualizado, registar consultas de dermatologia, ginecologia e urologia como sendo procedimentos realizados no bloco operatório para serem pagos como cirurgias.

"Ter na gestão de um hospital público uma entidade que procura extrair uma taxa de rendibilidade muito expressiva é uma inversão das prioridades: os utentes deixam de ser o centro da ação, sendo substituídos pelos interesses dos acionistas", lê-se na pergunta, em que questiona o ministério se tem conhecimento destas situações e, perante estas denúncias, que medidas serão tomadas para investigar a existência ou não das mesmas.

O DN questionou o Ministério da Saúde, mas até à hora de fecho desta edição não obteve resposta.

Já o hospital de Cascais afirma que "é escrutinado minuciosamente pelo Estado no cumprimento dos seus deveres para com os utentes e os colaboradores no âmbito do seu contrato de gestão, e por exigentes entidades externas independentes". E lembra que foi recentemente "classificado como o melhor hospital do serviço nacional de saúde na sua categoria", referindo-se ao ranking da consultora IASIST, que tem o patrocínio do Ministério da Saúde.

Na resposta, o hospital afirma ainda que desde 2012 está acreditado pela Joint Commission International na qualidade e segurança na prestação de serviços e que os utentes classificaram, no ano passado, os serviços como "muito positivos". Podemos ainda referir que o hospital de Cascais é o mais tecnológico do país", acrescenta a unidade na sua resposta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.