BE diz que não há vontade política para acabar com paraísos fiscais

Denúncia feita no parlamento pela deputada Mariana Mortágua

A deputada do BE Mariana Mortágua disse hoje no parlamento que não há vontade política para acabar com os paraísos fiscais e lamentou que só em 2017 se comece a criar o Registo Central de Beneficiário Efetivo.

A deputada falava no debate parlamentar sobre a proposta de lei para a criação do Registo Central de Beneficiário Efetivo (RCBE), que terá informação sobre os beneficiários efetivos, informações básicas como a denominação social e o endereço, a prova de constituição e a estrutura de propriedade da empresa.

Para Mortágua "a privacidade é um direito, a opacidade não o é. Todos os negócios devem ter um rosto, um número", considerando que a transposição da diretiva europeia de combate ao branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo peca por tardia ao tentar regular "para saber quem é a cara do negócio".

Após defender o fim dos paraísos fiscais e alterações às regras do sistema financeiro, a deputada disse que não há vontade política para o fazer, criticando o governo por não questionar a zona franca da Madeira apesar da referência que é feita na investigação 'panamá papers'.

"É preciso acabar com paraísos fiscais, alterar as regras do sistema financeiro, mas não há vontade política para fazer isto. A forma mais eficaz para combater o crime económico não tem apoio político", acrescentou.

Na resposta, a deputada do PSD eleita pela Madeira Sara Madruga da Costa acusou o BE de utilizar o "rosto da zona franca da Madeira para fazer politiquice e denegrir" a região.

"A zona franca da Madeira não tem a ver com os 'panamá papers'", disse, observando que o BE devia estar mais atento ao que se passa com outras formas de branqueamento de capitais ligadas aos casinos, salas de jogos e fundações.

Sara Madruga congratulou-se com o facto de, com este diploma, "ser mais fácil seguir o rasto do dinheiro".

Para o deputado do PCP Manuel Tiago, o diploma "é um passo pequenino na marcha contra o branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo", lembrando que esta diretiva europeia se junta a tantas outras que nunca se cumpriram, aludindo ao caso Banif.

Cecília Meireles (CDS/PP) sublinhou que é necessário conhecer o verdadeiro dono do negócio, mas questionou até que ponto a criação deste registo vai ser eficaz num universo de pessoas que não se querem registar e que pode utilizar beneficiários intermédios.

Coube à secretária de Estado adjunta e da Justiça, Helena Ribeiro, expor os motivos do diploma, que nas suas palavras irá "aumentar a transparência nos negócios", embora respeitando o princípio da proporcionalidade e os dados pessoais.

Entre os diplomas em discussão no plenário consta a alteração ao regime de prevenção do branqueamento de capitais e do financiamento do terrorismo de todas as transações em dinheiro superiores a dez mil euros efetuadas por entidades não financeiras.

A proposta de lei reduz de 15 mil para 10 mil euros "o limiar perante o qual as entidades não financeiras que transacionam em numerário ficam sujeitas à lei [do branqueamento de capitais] ou abrangendo as instituições de pagamento e de moeda eletrónica estrangeiras que atuem através de agentes ou distribuidores, bem como as entidades gestoras de plataformas de financiamento colaborativo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.