BE disponível para aprovar a curto prazo casamento homossexual

O líder do Bloco de Esquerda, Francisco Louçã, frisou hoje a vontade da sua força política, em conjunto com outros partidos, de aprovar a curto prazo no Parlamento um projecto de lei que permita os casamentos entre duas pessoas do mesmo sexo.

"A questão dos casamentos entre cidadãos do mesmo sexo foi apresentada pelo Bloco de Esquerda [na anterior legislatura] e já podia estar resolvida", declarou Francisco Louçã no final de uma audiência de cerca de duas horas com o primeiro-ministro indigitado, José Sócrates, em São Bento.

A abertura à celebração de casamentos entre pessoas do mesmo sexo consta dos programas eleitorais do Bloco de Esquerda e do PS.

 De acordo com Louçã, quando for apresentado na Assembleia da República um projecto nesse sentido, "naturalmente o Bloco de Esquerda contribuirá para uma maioria de respeito por todas essas decisões dessas pessoas".

"Há muita gente que não concorda com o casamento gay, mas a essas pessoas quero dizer que se trata exclusivamente de respeitar a decisão de outros que querem escolher com quer querem ser casados e têm todo o direito de o fazer. O que vamos decidir não é se gostamos ou não das escolhas dos outros, mas muito simplesmente se temos a dignidade de respeitar as escolhas dos outros", justificou o líder do Bloco de Esquerda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.