BE divulga na próxima semana anteprojeto-lei para despenalizar eutanásia

Anúncio foi feito esta quinta-feira por João Semedo

O Bloco de Esquerda vai divulgar na próxima semana, no dia 15 de fevereiro, um anteprojeto-lei de defesa da despenalização da eutanásia. Quem o revelou foi o antigo deputado e dirigente bloquista, João Semedo, falando num colóquio sobre eutanásia que o grupo parlamentar do PSD está a promover na manhã desta quinta-feira no parlamento. Os bloquistas querem desencadear depois o debate público a partir deste articulado.

João Semedo foi um dos principais dinamizadores da petição pró-despenalização da eutanásia discutida em plenário de assembleia na semana passada.

Segundo João Semedo, o anteprojeto do BE admitirá que a eutanásia possa ser praticada em "espaços públicos" (ou seja, estatais), mas também em "espaços sociais e privados". A eutanásia entrará "no mercado como acontece noutras áreas da saúde" e competirá à lei "proteger os cidadãos dessa possível mercantilização".

O PAN também já disse que terá uma iniciativa legislativa no mesmo sentido.

Entretanto, está também para agendar no parlamento a discussão de uma petição anti-despenalização da eutanásia.

No colóquio desta manhã, Passos anunciou que o PSD terá uma posição sobre o assunto, mas mantendo todos os deputados liberdade de voto. Passos revelou também que já tem uma posição individual definida sobre a eutanásia, mas não a revelou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.