Bastonário dos Médicos teme que Portugal tenha perdido já agência europeia

Miguel Guimarães teme repercussões do debate público em torno da localização da agência

O bastonário da Ordem dos Médicos teme que Portugal esteja já a perder a oportunidade de receber a Agência Europeia do Medicamento, devido ao debate público sobre a sua localização e à inabilidade do Governo.

"Este debate público que está a acontecer é mau para Portugal. Acho que Portugal com isto já está a perder pontos e devido à inabilidade que o Governo teve nesta matéria acho que, infelizmente para todos, vamos perder a Agência Europeia do Medicamento, quando o interessante seria ficar em Portugal, o sítio era irrelevante", afirmou o bastonário Miguel Guimarães em declarações hoje aos jornalistas em Lisboa, no final de uma reunião com a Associação de Medicina Geral e Familiar.

O representante máximo dos médicos lembrou que a Ordem não emitiu uma posição oficial sobre a Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla inglesa), até porque diferentes estruturas regionais deram opiniões díspares sobre o assunto.

A escolha de Lisboa para candidata a receber a sede da Agência Europeia do Medicamento tem motivado críticas de deputados e de autarcas e o processo foi criticado igualmente por vários profissionais de saúde.

Para Miguel Guimarães, a questão da EMA foi "muito mal tratada pelo Governo", mas o bastonário critica igualmente o debate público que se tem criado, neste momento, sobre a candidatura de Lisboa.

"É um péssimo exemplo do que Portugal por vezes faz, não existe planeamento e organização. Este debate que está a ser tido publicamente, devia ser um debate interno entre as várias estruturas. Depois de ter as propostas devidamente fundamentadas, o Governo, com a Assembleia da República, decidia qual o local ideal para albergar a agência", afirmou o bastonário.

O ministro da Saúde tem afirmado que os "serviços fizeram um levantamento técnico" para averiguar que cidade teria possibilidade de tornar a candidatura mais forte, lembrando que há cerca de outras 20 candidaturas a receber a EMA, que abandonará Londres, com a saída do Reino Unido da União Europeia.

Na semana passada, em entrevista à Lusa, o ministro Adalberto Campos Fernandes apelou para que Lisboa fosse considerada uma candidatura nacional.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.