Bastonária acusa ministra de falta de planeamento

A bastonária dos Advogados, Elina Fraga, faz um balanço da reforma judiciária e acusa a Ministra da Justiça de falta de planeamento na transferência dos processos judiciais.

Em entrevista à Justiça TV, a bastonária da Ordem dos Advogados acusa Paula Teixeira da Cruz de esconder a realidade. "Os processos físicos foram transferidos em carrinhas de caixa aberta sem que houvesse o devido cuidado, de modo a salvaguardar que os processos iam organizados, por forma a que o tribunal que os recebesse iniciasse a sua tramitação", diz a bastonária eleita em novembro do ano passado.

A representante dos 28 mil advogados acusa o Ministério da Justiça de falta de planeamento: "não houve planeamento, os processos foram atirados para dentro de caixotes, e ainda estão muitos deles armazenados nos parques de estacionamento, nas salas de audiências, sem que ninguém saiba exactamente o que está lá dentro. É preciso falar também nesta dimensão", conclui, na mesma entrevista.

O mapa judiciário entrou em vigor a de 1 de setembro. Durante 45 dias, os 3,5 milhões que teriam de ter sido transferidos para o sistema informático, ficaram 'perdidos' e sem rasto electrónico.

A nova organização judiciária fechou 20 tribunais e despromoveu 27 a secções de proximidade. A Ordem dos Advogados organizou, a 15 de Julho deste ano, um protesto junto ao Parlamento contestando esta nova reforma. Na manifestação estiveram presentes mais de três mil advogados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.