Bares no Cais do Sodré, Santos e Bica fecham mais cedo

A partir de sexta-feira os bares em Lisboa fecham às 02:00 nos dias úteis e às 03:00 ao fim de semana. As lojas de conveniência na zona do Cais do Sodré, Santos e Bica encerram à meia-noite.

Os bares do Cais do Sodré, Santos e Bica, em Lisboa, passam a fechar às 02:00 nos dias úteis e às 03:00 ao fim de semana, a partir de sexta-feira, enquanto atualmente podem funcionar até às 04:00.

A alteração deve-se à entrada em vigor de um despacho da Câmara de Lisboa que prevê, para além desta medida, que as lojas de conveniência localizadas nestas zonas tenham de encerrar no máximo às 24:00 (enquanto atualmente podem fechar às 02:00) e que os bares não vendam bebidas para fora a partir da 01:00.

"A nossa expetativa é que haja uma maior compatibilização entre a diversão noturna e o descanso das pessoas" que habitam nestes bairros históricos, disse à agência Lusa o vereador da Higiene Urbana na Câmara Municipal de Lisboa, Duarte Cordeiro.

Apesar de grande parte dos bares ter de fechar no máximo até às 03:00 (às sextas-feiras, sábados e vésperas de feriado), os espaços insonorizados, com segurança privada à porta e com sistema de videovigilância, podem estar abertos até às 04:00, de acordo com o despacho publicado em boletim municipal em meados de dezembro.

No caso dos estabelecimentos com um espaço de dança legalizado, o horário máximo de funcionamento é até às 04:00.

A estes espaços, com exceção dos que não são estabelecimentos de restauração e de bebidas, apenas será "permitido proceder à venda de qualquer tipo de bebidas, independentemente da natureza do material do recipiente, para consumo no exterior do estabelecimento até à 01:00, todos os dias da semana", lê-se.

Se, mediante ações de fiscalização, for verificado que esta norma não é cumprida, o estabelecimento poderá ser penalizado com a redução temporária do horário de funcionamento, tendo de fechar às 23:00 todos os dias da semana.

Já as discotecas, com permissão para funcionar até às 06:00, não vão ser abrangidas pelas novas restrições horárias.

Para garantir que as medidas serão cumpridas, "no horário de fecho dos estabelecimentos, haverá [elementos da] Polícia Municipal" a fiscalizar estes mesmos espaços, adiantou Duarte Cordeiro.

"O nosso objetivo não é inibir a diversão mas, pelo contrário, procurar que as pessoas o façam dentro dos estabelecimentos e, especialmente, que os estabelecimentos tenham condições para evitar que haja tanto ruído na rua", salientou o autarca, justificando que o barulho de que os moradores se queixam se deve à elevada "aglomeração das pessoas" no exterior.

Segundo o também responsável pelas Estruturas de Proximidade, a aplicação destas medidas implica uma "ação mais coordenada" entre a Câmara, a Polícia Municipal e outras entidades, como aconteceu no Bairro Alto em 2008 -- quando os horários foram reduzidos nessa zona.

Por isso, pretendem requalificar o espaço público no Cais do Sodré, ter mais agentes naquela zona e instalar ali um sistema de videovigilância (que no Bairro Alto entrou em funcionamento em maio de 2014), apontou.

No fim de semana passado, a Câmara realizou uma ação de sensibilização na qual os donos dos bares foram avisados da mudança de horários. Na iniciativa, percebeu-se que muitas lojas de conveniência "não tinham conhecimento dos novos horários e foi uma oportunidade de lhes dar a conhecer as novas regras", concluiu Duarte Cordeiro.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.