Baratas no parlamento levam à suspensão da Comissão de Trabalho

Os deputados estavam a discutir o primeiro ponto da ordem de trabalhos, antes da audição da inspetora-geral da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), Luísa Guimarães

A presença de baratas na sala onde estava reunida a comissão parlamentar de trabalho e segurança social, que se preparava para ouvir a inspetora-geral do Trabalho, levou à suspensão dos trabalhos.

Os deputados estavam a discutir o primeiro ponto da ordem de trabalhos, que antecedia a audição da inspetora-geral da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), Luísa Guimarães, quando surgiu a primeira barata que fez com que alguns deputados se levantassem, interrompendo a discussão.

Os deputados ainda tentaram prosseguir os trabalhos, mas minutos depois começaram a surgir mais baratas, considerando os deputados não haver então condições para continuarem os trabalhos naquela sala do piso 0 da Assembleia da República.

Entretanto, a comissão mudou-se para outra sala para que os deputados possam, então, ouvir a inspetora-geral do trabalho sobre a situação dos trabalhadores da Somincor - Sociedade Mineira de Neves Corvo, uma audição pedida pelo PCP.

Fontes parlamentares disseram à Lusa que a situação deverá estar relacionada com uma desinfestação de baratas feita no último fim de semana na Assembleia da República.

Ler mais

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.