Baratas e ratos na cozinha da cadeia do Funchal

Denúncia é do Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional

O presidente do Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional, Jorge Alves, denunciou esta terça-feira a falta de higiene na cozinha da cadeia do Funchal. "Abundam ratos e baratas na cozinha", explica Jorge Alves. Criticou ainda o facto deste estabelecimento prisional não ter um espaço destinado a admissão dos reclusos que vão chegando para cumprir pena.

Jorge Alves visitou o EPF e reuniu com as estruturas do sindicato no arquipélago da Madeira, tendo lamentado que o estabelecimento prisional esteja, alegadamente, "degradado", com falta de higiene, inclusive na cozinha, onde "abundam ratos e baratas", e de não cumprir com a lei.

O dirigente sindical alertou para a falta de um "espaço de admissão" onde os reclusos, por lei, devem manter-se durante 15 dias antes de serem colocados "no regime comum".

Jorge Alves criticou, também, a falta de condições, quer para as guardas prisionais, quer para as reclusas.

O presidente do Sindicato disse que vai enviar o relatório da visita ao EPF para o Ministério da Justiça, Direção Geral dos Serviços Prisionais e diretor da cadeia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.