Banif: da "contradição" de Carlos Costa à "mentira" de Centeno

Quase três meses após o arranque da comissão de inquérito, PS e PSD mantêm guerra aberta. PCP diz que supervisão é "embuste"

Começou com um incidente (o chumbo da esquerda à proposta de auditoria feita pelo PSD) e neste momento está a ser condicionada pela alegada "mentira" de Mário Centeno na primeira audição. A comissão de inquérito (CPI) à derrocada e venda do Banif iniciou funções há 80 dias e, para já, está a ser marcada pelo combate entre PS e PSD. Como se previa. E do qual BE, CDS e PCP se têm demarcado.

Socialistas e sociais-democratas viabilizaram juntos, em dezembro, o Orçamento Retificativo que previa a injeção de 2255 milhões de euros no banco para que a resolução fosse viável, bem como a venda ao Santander Totta, mas é no plano das responsabilidades políticas que as duas bancadas não enterram os machados de guerra.

Se o governador do Banco de Portugal (BdP) se afigurava como alvo óbvio - e as dúvidas não ficaram dissipadas com a primeira audição de Carlos Costa -, agora é o ministro das Finanças que está debaixo de fogo. Em particular do PSD, que, apesar de isolado, quer que o Ministério Público investigue se Centeno prestou um falso depoimento quando esteve pela primeira vez na Assembleia da República quanto a alegados contactos com as instituições europeias para favorecer o Santander.

"Na primeira audição o ministro negou ter tido algum contacto com responsáveis europeus sobre o Banif/Santander. E quando confrontado com o documento [e-mail da presidente do Conselho de Supervisão do Banco Central Europeu], na segunda audição, disse ter tido, mas não no sentido que o documento dava", afirma Carlos Abreu Amorim, coordenador do PSD, que observa que "a imagem do Parlamento tem de ser respeitada".

João Galamba critica o PSD por "parecer estar apostado neste tipo de incidentes" e vinca que "qualquer pessoa de boa-fé percebe que não houve declarações falsas". "O PSD está de péssima consciência nesta comissão", devolve o coordenador do PS. Para o socialista, há outros pontos mais importantes por esclarecer: a decisão de recapitalização pública no final de 2012, que, diz, "carece de fundamentação" e aponta o dedo ao governo de Passos Coelho - que considera ter fechado os olhos aos problemas do Banif para "não prejudicar a saída limpa" do programa da troika e para "não afetar as eleições" do ano passado - por ter "empurrado o problema para as mãos" do executivo de António Costa.

Também a supervisão separa o bloco central. Galamba questiona o parecer do BdP de 2012 que atestava da viabilidade do banco fundado por Horácio Roque antes da injeção de dinheiro público e sugere que possa ter havido "cobertura política" por parte de Carlos Costa aos "interesses do PSD e do CDS".

Abreu Amorim corta rente, dizendo que tanto Centeno como o secretário de Estado do Tesouro e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, demonstraram uma "sanha" contra o supervisor, mas frisa que ambos perceberam que "a estratégia de pedir a cabeça do governador não ia longe e mudaram".

Já João Almeida afasta-se desse pingue-pongue e, salienta o coordenador do CDS, quer apenas "apurar factos e responsáveis", embora lamente os "muitos bloqueios por parte das instituições europeias".

Para Miguel Tiago, as duas aparentes contradições "foram sanadas". Por um lado, sublinha o deputado comunista, pôde verificar-se que Costa "não propôs a resolução e venda" do Banif, mas ao invés "a limitação da exposição" do banco. "Quis ganhar tempo", reforça, vincando que a ata do BCE, que suscitou polémica, "ficou explicada". Quanto a Centeno, o coordenador comunista nota que "explicou e ficou claro que não quis influenciar a venda". Mesmo que essa solução não mereça a concordância do PCP.

O parlamentar afirma que a investigação está a ajudar à construção de uma "narrativa sólida" e que já foram recolhidos elementos que "permitem tirar conclusões avançadas", nomeadamente que "a supervisão, como a conhecemos, é um embuste". E ainda deixa uma farpa ao PSD por "estar a fazer tudo para perturbar e partidarizar os trabalhos" com o intuito de "ocultar os dois anos e meio que teve o Banif nas mãos". O DN tentou, sem sucesso, obter um comentário da coordenadora do BE, Mariana Mortágua.

Ler mais

Exclusivos