Banca, euro e dívida: os três constrangimentos do país, diz PCP

Estas segunda e terça-feiras deputados comunistas estão em Coimbra. Na agenda, os setores produtivos, o emprego e a soberania.

Quando hoje, pelas 12.00, o secretário-geral comunista abrir em Coimbra mais umas jornadas parlamentares do PCP, não se antecipa que Jerónimo de Sousa se desvie um milímetro do discurso do seu partido, apesar de no Parlamento a bancada comunista manter o seu apoio ao Governo socialista. Em causa estarão temas que se cruzam sobre "a produção, o emprego, a soberania e a libertação de Portugal da submissão ao euro" e onde o PCP insiste em contrariar o que o PS vai defendendo e fazendo.

Antecipando as jornadas, que se realizam hoje e amanhã, o líder parlamentar comunista, João Oliveira, sublinhou "a dificuldade que o país tem de responder aos seus problemas e assegurar o seu desenvolvimento, sem enfrentar" uma trindade de constrangimentos: a banca, o euro e a dívida. É este cruzamento que trava o desenvolvimento de Portugal, como sintetizou João Oliveira: "Aquilo que tem que ver com a dívida e o peso da dívida e as limitações que a dívida impõe sucessivamente nos orçamentos do Estado; aquilo que tem que ver com as imposições que decorrem das regras do euro e do quadro da União Económica e Monetária; e os constrangimentos que, em setores estratégicos, continuamos a enfrentar por via do controlo desses setores estratégicos pelo capital monopolista", explicou, "constituem um espartilho, do qual o país não se libertando dificilmente conseguirá assegurar o seu desenvolvimento".

A novidade no discurso, que já não é novo nesta legislatura, é a ausência do Governo como alvo imediato de crítica - o PCP prefere pôr o acento tónico nas amarras a que está preso o país, "por via da União Europeia e da zona euro". "Dificilmente conseguiremos fazer uma política económica diferente se não tivermos os meios que hoje são canalizados para o pagamento da dívida, dificilmente conseguiremos responder a problemas económicos concretos se continuarmos amarrados às imposições" que chegam de Bruxelas, sinalizou o líder parlamentar aos jornalistas.

O que estará ausente destas jornadas, assegurou Oliveira, é a campanha para as eleições autárquicas. "A batalha autárquica deixamos para cada um dos 308 municípios do país", afirmou, justificando que não é este o espaço para o PCP fazer campanha. Mas amanhã os deputados farão de autocarro o trajeto Lousã-Coimbra a lembrar o fim da linha de comboio e o pesadelo que vivem os cidadãos dos concelhos que deixaram de ter este serviço.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.