Baleia morta encontrada à deriva na praia da Fonte da Telha

Animal encontra-se a 3600 metros do areal e não se prevê que dê à costa

Uma baleia morta foi encontrada na manhã desta terça-feira à deriva na praia da Fonte da Telha, junto à Costa da Caparica. O animal mede 30 metros de comprimento e encontra-se a 3600 metros do areal.

Segundo o jornal Público, o alerta foi dado à Polícia Marítima de Sesimbra pelas 7h30 por Luís Martins, proprietário da empresa de passeios turísticos Batnavó Marítimo-Turística, que terá visto "um vulto negro" que fazia lembrar "um barco virado ao contrário". Ao aproximar-se percebeu então que se tratava de um cadáver de uma baleia, já em estado de decomposição. O empresário refere que o cetáceo está virado de barriga para cima, a 2,5 metros acima da água.

Ao Diário de Notícias, o comandante Coelho Gil explicou que a Polícia Marítima está a fazer um acompanhamento da situação, não se prevendo que o animal dê à costa, mas caso não seja recolhido pode ser afundado com recurso a uma carga explosiva, para eliminar o perigo que constitui para a navegação marítima. As operações vão ser coordenadas juntamente com o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

A praia encontra-se aberta ao público e não há previsão para a resolução do problema.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.