Azeredo Lopes elogia as "soluções draconianas" para paióis de Tancos

Ministro diz que medidas disciplinares ou criminais por causa do furto em Tancos só poderão ser tomadas no âmbito das investigações da PJ e da PJM

O ministro da Defesa enalteceu ontem o Exército por, em menos de três semanas, ter tido a "capacidade de fazer o diagnóstico" à segurança dos paióis de Tancos e propor "soluções draconianas" para evitar a repetição do furto de material militar ali existente.

Azeredo Lopes, que falava aos jornalistas no final de um exercício militar da Marinha na área de Troia, referiu especificamente a transferência do material de guerra dos paióis de Tancos para outros "de maior segurança, maior modernidade e maior capacidade" como uma dessas "soluções draconianas".

Dizendo não querer apresentar-se como porta-voz do Exército, o governante explicou que as averiguações feitas pelo ramo eram apenas de natureza técnica - perceber o que sucedeu, quais as medidas corretivas a implementar - e não visavam tirar ilações de natureza disciplinar sobre quaisquer dos militares envolvidos.

"Eventuais responsabilidades, eventuais factos que apontem para responsabilidades [criminais de militares] muito mais depressa resultam da investigação da Polícia Judiciária Militar e da Polícia Judiciária do que por averiguações levadas a cabo pelo Exército", sublinhou o ministro da Defesa.

Citando o chefe do Estado-Maior do Exército (CEME), Azeredo Lopes clarificou a natureza não disciplinar das exonerações dos comandantes das cinco unidades responsáveis pela segurança dos paióis de Tancos - e que ontem foram renomeados para os cargos, após concluídas as averiguações internas realizadas sem que eles pudessem intervir a fim de assegurar a transparência do processo, disse o general Rovisco Duarte.

O ministro reafirmou depois a sua disponibilidade para prestar declarações na comissão parlamentar de Defesa - na qual, lembrou, "a obrigação de sigilo foi quebrada" durante a audição do comandante do Exército - sempre que ali for chamado, após o PSD ter apresentado novo requerimento para ouvir sobre o caso de Tancos o chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA) e os secretários-gerais dos sistemas de Informações da República Portuguesa (SGSIRP) e de Segurança Interna (SGSSI).

Estas audições foram aprovadas ontem, embora de forma condicionada até o presidente da comissão parlamentar de Defesa confirmar a sua viabilidade nos próximos dias com o presidente do Parlamento, disse ao DN o deputado do PSD Bruno Vitorino.

Uma das questões ainda em aberto, e que hoje também ficará clarificada, é a da audição de Azeredo Lopes que já estava agendada para a próxima semana (sobre a recente reunião dos ministros da Defesa da NATO). A ideia, informou Bruno Vitorino, é adiar essa reunião a fim de facilitar o agendamento das referidas audições do CEMGFA, do SGSIRP e do SGSSI.

Investigação militar

A nível estritamente militar, contudo, está em curso a investigação aberta pelo Regimento de Engenharia 1 (RE1) na sequência do furto de material de guerra nos paióis de Tancos, que poderá dar origem a processos disciplinares, admitiram fontes militares ao DN.

Note-se que o furto (explosivos plásticos, lança-granadas antitanque, granadas ofensivas, munições) foi detetado a 28 de junho, tendo sido de imediato chamada a PJM e cães da GNR.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.