Avisos de catástrofe por SMS a partir de 1 de junho

Primeiro-ministro anunciou o começo da medida em resposta a questão de deputado do PAN durante o debate quinzenal

António Costa anunciou esta quarta-feira, no debate quinzenal, que "no próximo dia 1 de junho" entrará em funcionamento um sistema de alerta de catástrofe à população por SMS.

O primeiro-ministro respondeu assim a uma questão de André Silva, deputado do PAN, que questionou António Costa acerca do sistema. André Silva acrescentou que "a medida é fundamental para prevenir tragédias como as que aconteceram nas estradas nacionais junto a Pedrógão Grande".

O deputado tinha lembrado a aprovação dessa medida, no âmbito de um pacote legislativo para a reforma da floresta, considerando que será "fundamental para prevenir tragédias como as que aconteceram nas estradas nacionais junto a Pedrógão Grande".

André Silva questionou ainda António Costa sobre a obrigação de os municípios apresentarem o respetivo plano de defesa da floresta contra incêndios publicado, dando o exemplo do caso de Pedrógão Grande.

"É inadmissível que concelhos que viveram as tragédias do último ano não tenham ainda um Plano ou Plano atualizado", considerou André Silva.

Na resposta, o primeiro-ministro disse apenas que "se há algum município que incumpre a lei, deve cumprir a lei".

Foi em fevereiro que foi noticiado que as autoridades, a Anacom, operadoras, Proteção Civil, rádios e televisões estariam a trabalhar e a alinhavar um projeto que visava alertar a população para catástrofes, através dos media e de alertas de telemóvel.

"Serão tidas em consideração as melhores práticas já seguidas noutros países, nos quais são utilizados sistemas de aviso à população potencialmente afetada pela ocorrência ou iminência de ocorrência de um acidente grave ou catástrofe (incêndios florestais, tsunamis, fenómenos meteorológicos adversos, cheias, rutura de barragens, emergências radiológicas, acidentes em estabelecimentos industriais, atentados terroristas, outros), com o objetivo de prestar informação sobre o evento em causa e sobre as medidas de autoproteção a adotar", referiu então a Anacom.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.