Aterragem de emergência de avião monomotor faz dois feridos ligeiros

A aeronave XA42, de matrícula alemã, sofreu uma "falha de motor" durante um batismo de voo

Um avião monomotor de competição aterrou hoje de emergência, perto do Aeródromo de Ponte de Sor, no distrito de Portalegre, devido a uma falha no motor, causando dois feridos ligeiros, revelaram os bombeiros.

Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Portalegre indicou à agência Lusa que o acidente, cujo alerta foi dado cerca das 11:20, ocorreu durante a cimeira aeronáutica "Portugal Air Summit", que termina hoje em Ponte de Sor.

O acidente provocou dois feridos ligeiros, dois homens de 36 e 42 anos, que foram assistidos no local

Contactada pela Lusa, fonte da organização do evento referiu que a aeronave XA42, de matrícula alemã, sofreu uma "falha de motor" durante um batismo de voo, o que obrigou o piloto norte-americano Scott Farnsworth a aterrar de emergência "num campo lavrado a sul do aeródromo".

A mesma fonte adiantou que não se registaram feridos, indicando que o piloto e o tripulante "saíram do avião pelo próprio pé", mas a fonte do CDOS de Portalegre precisou que o acidente provocou dois feridos ligeiros, dois homens de 36 e 42 anos, que foram assistidos no local.

A fonte da organização do "Portugal Air Summit" realçou que, devido ao acidente, o piloto norte-americano Scott Farnsworth deverá ficar fora da corrida de aviões que está marcada para esta tarde, frisando que as provas vão manter-se.

As operações de socorro mobilizaram 27 operacionais dos Bombeiros de Ponte de Sor, Proteção Civil Municipal, Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e GNR, apoiados por nove veículos, incluindo a ambulância Suporte Imediato de Vida (SIV) de Ponte de Sor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.