Avião da Easyjet aterrou de emergência em Paris

Voo partiu de Lisboa com destino ao Luxemburgo mas vidro partido obrigou avião a ir para o aeroporto Charles de Gaulle.

O vidro partido numa das janelas do cockpit do avião da Easyjet que na tarde deste domingo fazia a ligação Lisboa-Luxemburgo obrigou a uma aterragem de emergência em Paris.

A informação foi dada pelo próprio comandante aos passageiros, depois de inicialmente ter indicado que a aterragem de emergência se devera a um problema técnico no computador de bordo.

Um dos passageiros explicou ao DN que o Airbus, que deixou Lisboa pouco depois das 18:00 (com hora e meia de atraso), aterrou cerca das 21:30 locais (menos uma hora em Lisboa) no aeroporto Charles De Gaulle.

O voo EZY7655 estava a cerca de meia hora do Luxemburgo mas, por segurança, o piloto comandante optou por aterrar o aparelho em Paris, indicou a fonte.

De acordo com a tripulação, um outro avião da companhia está a caminho de Paris (saído do Reino Unido) para recolher os passageiros e concluir a viagem para, depois, regressar ainda esta noite a Lisboa com os passageiros que deveriam deixar o Luxemburgo cerca das 21:00 horas locais (20:00 em Lisboa).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.