Autoridade Marítima alerta para agravamento do estado do mar nos Açores

Estado do mar agrava-se a partir do final do dia de quarta-feira

A Autoridade Marítima alertou a população e a comunidade marítima para o agravamento do estado do tempo, em particular do estado do mar, em algumas ilhas dos Açores, a partir do final do dia de quarta-feira.

Em comunicado, as Capitanias do Porto de Angra do Heroísmo e da Praia da Vitória referem que essas condições meteorológicas se devem manter na quinta e na sexta-feira nas ilhas Terceira e Graciosa.

As previsões nestas ilhas apontam para vento moderado, de norte, rondando para nordeste/leste na sexta-feira, acompanhado de um incremento significativo da agitação marítima, de noroeste. A altura significativa das ondas pode registar valores próximos dos cinco metros.

Face a estas previsões, é recomendado à comunidade marítima o reforço das amarrações das embarcações e a sua vigilância, sobretudo nas zonas mais exposta.

Às populações aconselha-se a evitar os passeios junto da orla costeira, próximo da linha de água, em particular nos molhes, quebra-mares, piscinas naturais e zonas balneares.

Também a Capitania do Porto de Santa Cruz das Flores e a Capitania do Porto da Horta emitiram um alerta para a possibilidade de agravamento do estado do mar entre quarta e sexta-feira, aconselhando medidas de precaução como a vigilância na orla marítima e nos portos.

No grupo ocidental (ilhas das Flores e Corvo), a ondulação, de noroeste, poderá ultrapassar os quatro metros de altura significativa no final do dia de quarta-feira, situação que se deverá manter até às primeiras horas de sexta-feira.

Nas "ilhas do Triângulo" (Faial, São Jorge e Pico), a ondulação, de noroeste, poderá também atingir os quatro metros de altura significativa, informa ainda a Autoridade, que aconselha "uma atitude vigilante" junto à orla costeira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...