Autocarros de dois andares poderão deixar de circular na faixa 'Bus' na Av. da Liberdade

Autocarro turístico com 23 passageiros embateu numa árvore que estava inclinada para a estrada, ferindo mais de uma dezena de pessoas

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, admitiu hoje a possibilidade de os autocarros de dois andares poderem deixar de circular na faixa 'Bus' da Avenida da Liberdade, para evitar acidentes que possam envolver árvores.

Falando sobre o arvoredo da Avenida da Liberdade, o presidente afirmou que "o que se vai fazer é a avaliação da situação das árvores", para depois o município tomar uma decisão.

"Ou uma intervenção de poda sobre as árvores, resolvendo isso o problema, ou então - se no caso limite a isso formos obrigados para evitar abates de árvores em casos que elas se possam manter saudáveis - a limitação à circulação de autocarros de dois andares nos corredores 'Bus', para evitar que acidentes daquela natureza voltem a ocorrer", afirmou Medina.

Fernando Medina respondia assim ao vereador do CDS-PP João Gonçalves Pereira, que questionou o presidente "relativamente à responsabilidade da manutenção e da gestão do património arbóreo na Avenida da Liberdade".

"Dos documentos que analisámos, ficámos com a sensação de que a responsabilidade era da câmara", elencou, acrescentando que "há árvores com idênticas condições daquela que foi motivo de abate na Avenida".

A questão deveu-se a um acidente na semana passada naquela via da capital e que envolveu um autocarro turístico de dois andares.

O transporte, com 23 passageiros, embateu numa árvore que estava inclinada para a estrada e que acabou por ser cortada, incidente que provocou mais de uma dezena de feridos ligeiros.

Na altura, o presidente da Câmara de Lisboa anunciou que a manutenção do arvoredo na freguesia de Santo António vai voltar a ser exercida pela autarquia.

Por seu turno, o presidente da junta frisou que a árvore onde o autocarro embateu "não estava sinalizada" devido a problemas fitossanitários e, por isso, "não havia necessidade de intervenção".

Também em resposta ao vereador do CDS-PP, o vereador da Estrutura Verde, José Sá Fernandes, salientou que "o auto de transferência é inequívoco a dizer que a gestão das árvores passou para a Junta de Freguesia".

"Estamos a analisar a situação dos troncos das árvores na Avenida da Liberdade e eu telefonei mesmo ao presidente da junta para que isto fosse feito também em articulação com ele", precisou.

Sá Fernandes elencou também que, "independentemente de as árvores serem deste ou daquele", devem ser tomadas "medidas preventivas necessárias".

Na reunião pública de hoje, o presidente da Câmara de Lisboa anunciou ainda que vai apresentar uma proposta para o município reassumir a manutenção de "todo o eixo do Marquês de Pombal até Entrecampos, toda a parte central, mas aí por uma questão de operacionalidade".

O socialista explicou que os espaços verdes naquele eixo estão "sob a gestão das várias juntas de freguesia", o que torna "um pouco impraticável toda a limpeza e manutenção do separador central da Fontes Pereira de Melo e da Avenida da República".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.