Passos diz que obra de Rui Rio no Porto "orgulha a todos" no PSD

Rui Moreira "geriu uma herança e aproveitou um ambiente favorável" criado pelo Turismo, mas sem trabalhar para o futuro, considerou Passos Coelho

O líder do PSD elogiou esta sexta-feira a obra que Rui Rio deixou na Câmara do Porto, dizendo que "orgulha a todos" no partido, e reafirmou que Álvaro Almeida foi "uma boa escolha" para o combate autárquico nesta cidade.

Numa ação de campanha no centro do Porto ao lado do candidato independente apoiado por PSD e PPM, Passos Coelho foi questionado sobre a menor mobilização desta iniciativa - uma visita à Torre dos Clérigos - comparada com outra, na semana passada, em que Rui Rio esteve ao lado de Álvaro Almeida, mas escusou-se a fazer esse tipo de comparações.

O doutor Rui Rio foi um grande presidente da Câmara do Porto, exerceu o mandato durante 12 anos, deixou uma obra assinalável, parecer-me-ia natural que ele pudesse ser conhecido por essa sua obra aqui no Porto que nos orgulha a todos no PSD

O líder social-democrata reiterou a sua confiança em que o partido fez "uma boa escolha" ao apoiar Álvaro Almeida nestas autárquicas e criticou o que foi feito nos últimos quatro anos.

"Não quisemos agir nesta matéria com nenhum calculismo, quisemos apresentar realmente uma alternativa para o Porto", disse, considerando que o atual presidente, Rui Moreira, "geriu uma herança e aproveitou um ambiente favorável" criado pelo Turismo, mas sem trabalhar para o futuro.

No final da iniciativa, Passos ainda entrou numa casa típica de venda de licores e brindou com Álvaro Almeida com um Porto de 1977.

O candidato à Assembleia Municipal do Porto, Pedro Duarte, estava um pouco reticente quanto à bebida alcoólica, mas acabou por se juntar ao brinde.

"Saúde, votos, e de preferência uma boa vida. Uma vida boa", desejou Passos Coelho.

São candidatos à Câmara do Porto o independente Rui Moreira (atual presidente), apoiado pelo CDS-PP e MPT, o socialista Manuel Pizarro, Álvaro Almeida, pela coligação PSD/PPM, Ilda Figueiredo, da CDU, João Teixeira Lopes, do BE, Bebiana Cunha, do PAN, Costa Pereira, do PTP, Sandra Martins, do PNR, e Orlando Cruz, do PPV/CDC.

As eleições autárquicas realizam-se no próximo domingo.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.