Autarquias governadas por PS e PCP têm "pior desempenho"

Socialistas e comunistas têm "pior desempenho" em comparação com os municípios governados por PSD ou CDS

Passos Coelho participou hoje à tarde no distrito de Bragança em duas sessões consecutivas de apresentação de candidatos apoiados por PSD e CDS-PP, mas com metas diferentes: em Torre de Moncorvo, o objetivo é reeleger Nuno Gonçalves para um segundo mandato, enquanto em Vila Flor os dois partidos têm esperança de interromper uma governação socialista de mais de duas décadas com a candidatura de Pedro Lima.

"De um modo geral, temos muito orgulho nos resultados dos nossos autarcas. Quando comparamos o desempenho de autarquias com circunstâncias parecidas [...] notamos que aquelas que têm tido lideranças socialistas e comunistas têm piores desempenhos do que aquelas que têm lideranças sociais-democratas e centristas", defendeu.

Passos sublinhou que nenhuma eleição está definida à partida e que "não há ninguém que seja dono da escolha que cada eleitor quer fazer".

Contudo, apesar de deixar um apelo contra a abstenção, o líder do PSD reiterou as críticas ao Governo pela intenção já manifestada de, no futuro, proibir a realização de jogos de futebol em dias de eleições.

Foram os jogos de futebol, mas podiam ter sido outras coisas, que se fechasse toda a atividade cultural, recreativa para que não houvesse abstenção. Isso é um absurdo, não é esse o caminho, evidentemente

Em Vila Flor, Passos Coelho preferiu centrar o seu discurso no apoio ao candidato Pedro Lima, dizendo que o concelho não pode "perder esta oportunidade" de mudança, e, numa breve referência nacional, reiterou a mensagem de que os primeiros dois anos de Governo socialista foram "oportunidades desperdiçadas".

Dois anos volvidos ainda se quer diabolizar o primeiro-ministro de então, os ministros de então? Dois anos depois ainda temos de estar a lembrar que o Governo de Sócrates não foi uma ficção, que a bancarrota não foi uma invenção nossa

Em Vila Flor, Passos pediu que os eleitores deixem de "dar oportunidades a quem as desperdiça" e pediu a mudança no concelho, tal como aconteceu há quatro anos em Torre de Moncorvo.

"Eles tiveram 24 anos de oportunidades, não vou dizer que tudo foi mau [...], há muito boa obra em Vila Flor, mas são obras que não foram feitas para as pessoas, foram feitas para garantir a próxima eleição", acusou o candidato Pedro Lima, que elegeu como primeira prioridade o combate à desertificação.

Apesar do frio que se fazia sentir no final da apresentação, já de noite, o anfiteatro ao ar livre mantinha-se cheio, com muitas mulheres e crianças na assistência, que terminaram a cantar o hino, uma 'versão' da conhecida música de solidariedade "We are the world".

Zélia Teixeira, candidata à União de Freguesias de Vilas Boas e Vilarinho das Azenhas, atualmente detida por PS, fez questão de saudar calorosamente a presença do ex-primeiro-ministro: "Era uma pessoa que sempre quis conhecer", disse.

O líder do PSD fez-lhe a vontade e, no final do curto discurso da candidata, fez questão de se levantar da primeira fila e dar-lhe um abraço.

O secretário-geral do CDS-PP, Pedro Morais Soares, marcou presença em ambas as apresentações e apelou a que "rua a rua, porta a porta", se possa procurar o voto das pessoas em ambos os concelhos no próximo dia 01 de outubro.

Além de Pedro Lima (PSD/CDS-PP), são candidatos à Câmara de Vila Flor Fernando Barros (PS), Rui Tadeu (CDU) e Rui Guerra (BE).

Em Torre de Moncorvo, além de Nuno Gonçalves (PSD/CDS-PP), os candidatos à Câmara de Torre de Moncorvo são Maria de Lurdes Pontes (PS) e Laurinda Esteves Amaro (CDU).

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.