Passos Coelho ouve hoje órgãos do PSD sobre piores resultados de sempre

O Conselho Nacional do PSD analisa hoje os resultados das autárquicas, os piores de sempre do partido em número de câmaras, reunião antecedida pelas comissões permanente e política dos sociais-democratas.

A comissão permanente -- núcleo duro da direção -- reúne-se de manhã, a comissão política às 16:00 e o Conselho Nacional, órgão máximo entre Congressos, pelas 21:00, num hotel em Lisboa.

Passos Coelho reiterou no domingo que não se iria demitir na sequência de resultados de eleições locais, mas prometeu uma "reflexão ponderada" sobre se irá ou não recandidatar-se ao cargo nas diretas previstas para o início do próximo ano.

No final de uma reunião com o Presidente da República, na segunda-feira à tarde (na qual disse que o tema das autárquicas não foi abordado), Passos Coelho foi questionado sobre as conclusões dessa reflexão, mas considerou a questão "prematura em termos de resposta", apontando que só hoje será feita "uma avaliação com mais detalhe dos resultados das eleições autárquicas", nos órgãos de direção política do PSD e em Conselho Nacional.

"Só depois disso é que poderemos dizer alguma coisa do ponto de vista de uma mensagem nacional que possa ter relevância. E eu não vou, até lá, fazer especulação sobre qual vai ser a avaliação que faremos nos órgãos próprios", declarou.

Entre os conselheiros nacionais presentes na reunião estará o eurodeputado do PSD Paulo Rangel, que já disputou a liderança do partido com Pedro Passos Coelho. Segundo fonte do gabinete do eurodeputado, Paulo Rangel cancelou compromissos que tinha agendados em Estrasburgo para poder estar em Lisboa esta noite.

De acordo com os resultados finais divulgados pela secretaria-geral do Ministério da Administração Interna, o PSD vai liderar 98 câmaras (79 conquistadas sozinho, 19 em coligação), uma perda de oito autarquias em relação a 2013, que já tinha sido o pior resultado de sempre do partido em autárquicas. Há quatro anos, o PSD tinha conseguido a presidência de 86 câmaras sozinho e mais 20 em coligação, num total de 106.

Segundo a 'newsletter' do PSD divulgada na segunda-feira à tarde, o partido conseguiu pelo menos 727 mandatos, tendo conquistado 11 municípios ao PS e mantido a presidência de câmara em seis capitais de distrito e em Ponta Delgada. Quanto às presidências de junta de freguesia, o PSD obteve sozinho, ou em coligação, pelo menos 1.165.

Em número de votos, o PSD sozinho conseguiu cerca de 831 mil votos, menos três mil do que há quatro anos, apesar de ter havido menos abstenção. Somando as coligações lideradas pelos sociais-democratas, o PSD conquistou cerca de 737 mil votos, número da mesma ordem dos de 2013.

O Conselho Nacional de hoje apenas tem na agenda a análise dos resultados das eleições autárquicas, devendo realizar-se uma nova reunião deste órgão em novembro para marcar o calendário eleitoral, que deverá passar por diretas em final de janeiro/início de fevereiro e congresso um mês depois.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.