Passos Coelho ouve hoje órgãos do PSD sobre piores resultados de sempre

O Conselho Nacional do PSD analisa hoje os resultados das autárquicas, os piores de sempre do partido em número de câmaras, reunião antecedida pelas comissões permanente e política dos sociais-democratas.

A comissão permanente -- núcleo duro da direção -- reúne-se de manhã, a comissão política às 16:00 e o Conselho Nacional, órgão máximo entre Congressos, pelas 21:00, num hotel em Lisboa.

Passos Coelho reiterou no domingo que não se iria demitir na sequência de resultados de eleições locais, mas prometeu uma "reflexão ponderada" sobre se irá ou não recandidatar-se ao cargo nas diretas previstas para o início do próximo ano.

No final de uma reunião com o Presidente da República, na segunda-feira à tarde (na qual disse que o tema das autárquicas não foi abordado), Passos Coelho foi questionado sobre as conclusões dessa reflexão, mas considerou a questão "prematura em termos de resposta", apontando que só hoje será feita "uma avaliação com mais detalhe dos resultados das eleições autárquicas", nos órgãos de direção política do PSD e em Conselho Nacional.

"Só depois disso é que poderemos dizer alguma coisa do ponto de vista de uma mensagem nacional que possa ter relevância. E eu não vou, até lá, fazer especulação sobre qual vai ser a avaliação que faremos nos órgãos próprios", declarou.

Entre os conselheiros nacionais presentes na reunião estará o eurodeputado do PSD Paulo Rangel, que já disputou a liderança do partido com Pedro Passos Coelho. Segundo fonte do gabinete do eurodeputado, Paulo Rangel cancelou compromissos que tinha agendados em Estrasburgo para poder estar em Lisboa esta noite.

De acordo com os resultados finais divulgados pela secretaria-geral do Ministério da Administração Interna, o PSD vai liderar 98 câmaras (79 conquistadas sozinho, 19 em coligação), uma perda de oito autarquias em relação a 2013, que já tinha sido o pior resultado de sempre do partido em autárquicas. Há quatro anos, o PSD tinha conseguido a presidência de 86 câmaras sozinho e mais 20 em coligação, num total de 106.

Segundo a 'newsletter' do PSD divulgada na segunda-feira à tarde, o partido conseguiu pelo menos 727 mandatos, tendo conquistado 11 municípios ao PS e mantido a presidência de câmara em seis capitais de distrito e em Ponta Delgada. Quanto às presidências de junta de freguesia, o PSD obteve sozinho, ou em coligação, pelo menos 1.165.

Em número de votos, o PSD sozinho conseguiu cerca de 831 mil votos, menos três mil do que há quatro anos, apesar de ter havido menos abstenção. Somando as coligações lideradas pelos sociais-democratas, o PSD conquistou cerca de 737 mil votos, número da mesma ordem dos de 2013.

O Conselho Nacional de hoje apenas tem na agenda a análise dos resultados das eleições autárquicas, devendo realizar-se uma nova reunião deste órgão em novembro para marcar o calendário eleitoral, que deverá passar por diretas em final de janeiro/início de fevereiro e congresso um mês depois.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.