"Para quem diz não ser cata-vento, Azeredo Lopes é contraditório"

O eurodeputado social-democrata Paulo Rangel considerou hoje "compreensível" que o ministro Azeredo Lopes, ex-chefe de gabinete de Rui Moreira, apoie o candidato socialista à Câmara do Porto, notando que "para quem diz não ser cata-vento, a declaração é contraditória".

"Acho que as pessoas têm o direito a mudar. Mas é preciso registar que, para quem diz que não é cata-vento, a declaração é contraditória. O direito a mudar de opinião existe. É compreensível que, se é ministro do Governo, apoie um candidato do Governo", afirmou Rangel numa feira, onde participou numa ação de campanha do candidato do PSD/PP, Álvaro Almeida, para frisar que é "um excelente candidato para a Câmara do Porto".

Questionado sobre se o PSD é um partido confiável, já que um eleito pelo partido nas autárquicas de 2013 integra a lista de recandidatura de Rui Moreira, Rangel voltou a falar em cata-ventos: "Pois, como já viu, pelos vistos há muitos cata-ventos. Deixemo-los voar. O PSD é uma instituição na cidade, é um partido que merece a confiança dos portugueses", vincou.

Paulo Rangel afirmou ainda ter a expectativa de "o PSD se afirmar na cidade" nas autárquicas de 01 de outubro, devido "à tradição" que tem no concelho.

"Temos um candidato forte e um programa forte que põe a cidade outra vez a pensar nos portuenses em primeiro lugar, sem prejuízo de outras dimensões culturais ou turísticas. Mas é preciso olhar para a qualidade de vida dos portuenses", frisou o eurodeputado.

"Por isso estamos aqui nesta feira, onde se pode ver bem que há partes da cidade que foram esquecidas", notou.

Para o social-democrata, o Porto "não pode resumir-se a um conceito que é a Baixa e os arredores".

O ministro da Defesa e ex-chefe de gabinete do presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, revelou no sábado apoiar o candidato socialista na corrida contra a recandidatura do independente, que apoiou há quatro anos, porque "alguma coisa mudou".

"Acredito que Manuel Pizarro [cabeça de lista do PS à autarquia portuenses] é um homem leal. Seguramente que alguma coisa mudou. Não sou um cata-vento. Acredito que hoje, em 2017, este é o projeto de que o Porto precisa", disse no sábado Azeredo Lopes, que em 2013 apoiou a candidatura independente de Rui Moreira, quando Manuel Pizarro também era o candidato do PS, acabando por se tornar no chefe de gabinete do presidente da Câmara até ser convidado para ministro da Defesa do governo de António Costa.

São candidatos à Câmara do Porto o independente Rui Moreira, apoiado pelo CDS-PP e MPT, o socialista Manuel Pizarro, Álvaro Almeida, pela coligação PSD/PPM, Ilda Figueiredo, da CDU, João Teixeira Lopes, do BE, Bebiana Cunha, do PAN, Costa Pereira, do PTP, Sandra Martins, do PNR, e Orlando Cruz, do PPV/CDC.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.