"Para quem diz não ser cata-vento, Azeredo Lopes é contraditório"

O eurodeputado social-democrata Paulo Rangel considerou hoje "compreensível" que o ministro Azeredo Lopes, ex-chefe de gabinete de Rui Moreira, apoie o candidato socialista à Câmara do Porto, notando que "para quem diz não ser cata-vento, a declaração é contraditória".

"Acho que as pessoas têm o direito a mudar. Mas é preciso registar que, para quem diz que não é cata-vento, a declaração é contraditória. O direito a mudar de opinião existe. É compreensível que, se é ministro do Governo, apoie um candidato do Governo", afirmou Rangel numa feira, onde participou numa ação de campanha do candidato do PSD/PP, Álvaro Almeida, para frisar que é "um excelente candidato para a Câmara do Porto".

Questionado sobre se o PSD é um partido confiável, já que um eleito pelo partido nas autárquicas de 2013 integra a lista de recandidatura de Rui Moreira, Rangel voltou a falar em cata-ventos: "Pois, como já viu, pelos vistos há muitos cata-ventos. Deixemo-los voar. O PSD é uma instituição na cidade, é um partido que merece a confiança dos portugueses", vincou.

Paulo Rangel afirmou ainda ter a expectativa de "o PSD se afirmar na cidade" nas autárquicas de 01 de outubro, devido "à tradição" que tem no concelho.

"Temos um candidato forte e um programa forte que põe a cidade outra vez a pensar nos portuenses em primeiro lugar, sem prejuízo de outras dimensões culturais ou turísticas. Mas é preciso olhar para a qualidade de vida dos portuenses", frisou o eurodeputado.

"Por isso estamos aqui nesta feira, onde se pode ver bem que há partes da cidade que foram esquecidas", notou.

Para o social-democrata, o Porto "não pode resumir-se a um conceito que é a Baixa e os arredores".

O ministro da Defesa e ex-chefe de gabinete do presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, revelou no sábado apoiar o candidato socialista na corrida contra a recandidatura do independente, que apoiou há quatro anos, porque "alguma coisa mudou".

"Acredito que Manuel Pizarro [cabeça de lista do PS à autarquia portuenses] é um homem leal. Seguramente que alguma coisa mudou. Não sou um cata-vento. Acredito que hoje, em 2017, este é o projeto de que o Porto precisa", disse no sábado Azeredo Lopes, que em 2013 apoiou a candidatura independente de Rui Moreira, quando Manuel Pizarro também era o candidato do PS, acabando por se tornar no chefe de gabinete do presidente da Câmara até ser convidado para ministro da Defesa do governo de António Costa.

São candidatos à Câmara do Porto o independente Rui Moreira, apoiado pelo CDS-PP e MPT, o socialista Manuel Pizarro, Álvaro Almeida, pela coligação PSD/PPM, Ilda Figueiredo, da CDU, João Teixeira Lopes, do BE, Bebiana Cunha, do PAN, Costa Pereira, do PTP, Sandra Martins, do PNR, e Orlando Cruz, do PPV/CDC.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.