Pizarro: "Muito do que se fez na Câmara do Porto deve-se à ação do PS"

O candidato socialista à Câmara do Porto, Manuel Pizarro, afirmou hoje que muito do que se fez nos últimos quatro anos na autarquia se deve à ação dos vereadores socialistas, apontando as áreas da habitação, ação social e urbanismo.

Pizarro, que falava aos jornalistas no final de uma viagem de metro realizada no âmbito da semana dedica à mobilidade, referia-se à apresentação de contas feita terça-feira por Rui Moreira, que se recandidata como independente apoiado pelo CDS-PP e MPT.

Para o cabeça de lista do PS à Câmara do Porto, que esteve coligado com o movimento de Rui Moreira até maio, "o balanço do último mandato é um balanço de Rui Moreira e é um balanço do PS", ou seja, "é a prestação de contas de uma governação conjunta".

"Eu tenho muito orgulho no trabalho que o PS fez na Câmara no último mandato e não tenho dúvida de que a presença do PS na governação autárquica faz muita falta ao Porto, muito do que se fez deveu-se à ação dos vereadores socialistas e o que tenho dito é que, se fizemos o que fizemos estando em minoria, se, como eu espero, o povo do Porto nos der a liderança, seremos seguramente capazes de fazer muito mais", sublinhou.

Pizarro apontou "tudo o que diz respeito à habitação, à área da ação social, à área do urbanismo", sob a sua liderança, e também "o que foi feito no projeto do Mercado do Bolhão sob a liderança do vereador socialista do pelouro do Urbanismo, o arquiteto Correia Fernandes".

O candidato socialista frisou que "uma enorme parte do investimento da câmara durante estes quatro anos foi feito no domínio da habitação, mais de 41 milhões de euros nos bairros de habitação social. O que significa uma fração imensa no investimento realizado pela Câmara Municipal do Porto".

No âmbito da mobilidade, Pizarro considerou que não se pode pensar no Porto como "uma cidade confinada ao seu limite administrativo: Circunvalação e rio Douro, porque o problema da mobilidade do Porto é o problema da mobilidade metropolitana".

"Destaco que o PS é o único partido que tem discurso metropolitano nestas eleições autárquicas, o que mostra que os outros não terão percebido que é nessa escala metropolitana que estes problemas têm de ser tratados.

São candidatos à Câmara do Porto o independente Rui Moreira, apoiado pelo CDS-PP e MPT, o socialista Manuel Pizarro, Álvaro Almeida, pela coligação PSD/PPM, Ilda Figueiredo, da CDU, João Teixeira Lopes, do BE, Bebiana Cunha, do PAN, Costa Pereira, do PTP, Sandra Martins, do PNR.

As eleições autárquicas estão marcadas para 01 de outubro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.