Marques Mendes: se Passos ficar, vai ser "um inferno"

"Não me surpreenderia que saia de cena para que o partido faça uma reflexão", disse Marques Mendes sobre o atual líder do PSD

"Terramoto eleitoral". Foi assim que Luís Marques Mendes descreveu esta noite na SIC os resultados eleitorais do PSD nas eleições autárquicas, em especial em Lisboa e Porto. Para o antigo líder social-democrata, aquela que "provavelmente será a pior derrota autárquica da história do PSD" pode levar Pedro Passos Coelho a decidir sair de cena nos próximos dias. Se Passos Coelho quiser continuar à frente do partido, "a vida dele vai ser um inferno completo" e "vai ter dificuldade, numas diretas, de se manter na liderança", acrescentou.

"Não me surpreenderia que saia de cena para que o partido faça uma reflexão". Marques Mendes coloca ainda o PCP na zona dos derrotados, isto porque "já está confirmada a perda de cinco autarquias comunistas no Alentejo - Moura, Castro Verde, Barrancos e Alandroal [a que se junta Grândola e Constância, no distrito de Santarém] -, não se sabendo se é compensada por conquistas de outras câmaras. Se não for, é um problema", avisa o comentador da SIC, que antevê problemas para a coligação das esquerdas no Parlamento decorrente do "desconforto comunista". "O próximo Orçamento de Estado nunca estaria em causa, mas a médio prazo a solidez da coligação pode sair abalada". Uma situação que deixa o PCP numa encruzilhada, porque se quiser causar uma crise política, pode ver o PS sair reforçado numas legislativas antecipadas.

Quanto aos grandes vencedores da noite, além do bom resultado do PS - "é uma grande vitória de António Costa, a dinâmica nacional de Costa foi muito importante" -; Marques Mendes destaca a "corajosa e máquina de campanha" Assunção Cristas, "Com este resultado histórico em Lisboa, consolidou a sua liderança, nunca mais se dirá que o partido está órfão de Portas, e sai reforçada para negociar coligações com o PSD". Sendo que, no caso de Lisboa, passa a ter legitimidade para liderar futuras coligações com os sociais-democratas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.