Marques Mendes: se Passos ficar, vai ser "um inferno"

"Não me surpreenderia que saia de cena para que o partido faça uma reflexão", disse Marques Mendes sobre o atual líder do PSD

"Terramoto eleitoral". Foi assim que Luís Marques Mendes descreveu esta noite na SIC os resultados eleitorais do PSD nas eleições autárquicas, em especial em Lisboa e Porto. Para o antigo líder social-democrata, aquela que "provavelmente será a pior derrota autárquica da história do PSD" pode levar Pedro Passos Coelho a decidir sair de cena nos próximos dias. Se Passos Coelho quiser continuar à frente do partido, "a vida dele vai ser um inferno completo" e "vai ter dificuldade, numas diretas, de se manter na liderança", acrescentou.

"Não me surpreenderia que saia de cena para que o partido faça uma reflexão". Marques Mendes coloca ainda o PCP na zona dos derrotados, isto porque "já está confirmada a perda de cinco autarquias comunistas no Alentejo - Moura, Castro Verde, Barrancos e Alandroal [a que se junta Grândola e Constância, no distrito de Santarém] -, não se sabendo se é compensada por conquistas de outras câmaras. Se não for, é um problema", avisa o comentador da SIC, que antevê problemas para a coligação das esquerdas no Parlamento decorrente do "desconforto comunista". "O próximo Orçamento de Estado nunca estaria em causa, mas a médio prazo a solidez da coligação pode sair abalada". Uma situação que deixa o PCP numa encruzilhada, porque se quiser causar uma crise política, pode ver o PS sair reforçado numas legislativas antecipadas.

Quanto aos grandes vencedores da noite, além do bom resultado do PS - "é uma grande vitória de António Costa, a dinâmica nacional de Costa foi muito importante" -; Marques Mendes destaca a "corajosa e máquina de campanha" Assunção Cristas, "Com este resultado histórico em Lisboa, consolidou a sua liderança, nunca mais se dirá que o partido está órfão de Portas, e sai reforçada para negociar coligações com o PSD". Sendo que, no caso de Lisboa, passa a ter legitimidade para liderar futuras coligações com os sociais-democratas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.