Medina diz sentir apoio, mas não dá "resultado por garantido"

O candidato socialista à presidência da Câmara de Lisboa e presidente da autarquia, Fernando Medina, disse hoje sentir "um grande apoio popular" nas ações de campanha, mas recusou a ideia de "resultado garantido".

"Não há nenhum resultado garantido, não há nenhum voto que esteja nas urnas antes do dia 01 [de outubro]. Só no dia 01 à noite é que saberemos quem é o vencedor das eleições", afirmou Fernando Medina.

Em declarações aos jornalistas no mercado da Ajuda, onde falou com comerciantes e clientes, o candidato aproveitou para dar uma "palavra sobre a campanha", destacando que tem sentido "um grande apoio popular, um grande carinho por parte das pessoas da cidade".

Na sua ótica, isso reflete "o que foi feito no último mandato, no que toca ao "avanço da cidade, da economia da cidade -- mais oportunidades de emprego --, de uma nova visão para o espaço público".

Fernando Medina acrescentou que também tem recebido "muito incentivo e muitas palavras de força" para continuar no cargo, que ocupou em abril de 2015, aquando da saída do então presidente do município, António Costa, para se candidatar a primeiro-ministro.

"Para que isso aconteça, é preciso que todos vão votar no próximo dia 01", lembrou.

Segundo o candidato, os munícipes que querem "a continuação deste processo de modernização da cidade de Lisboa, de mais emprego, de mais oportunidades, de melhoria da qualidade de vida e do espaço público, [...] um salto na melhoria do transporte público pela primeira vez em muitas décadas, mais habitação acessível para os jovens, mais centros de saúde para os mais idosos e mais pavimentos confortáveis" só têm "uma alternativa".

Até porque, continuou, "o PS é a única candidatura com um verdadeiro compromisso com a cidade [...], de quem não aspira a mais nada do que servir Lisboa e os lisboetas".

Na visita ao mercado, foram mais as palavras positivas do que negativas, ainda que tenha ouvido lembretes para a câmara apostar naquela infraestrutura.

"Ó Medina, isto está no papo", gritou um comerciante para o candidato e a sua comitiva.

Mas o cabeça de lista do PS não se deixou deslumbrar: "Não está não, é preciso que vá votar".

Nas eleições de 01 de outubro concorrem à presidência da Câmara de Lisboa Assunção Cristas (CDS-PP/MPT/PPM), João Ferreira (CDU), Ricardo Robles (BE), Teresa Leal Coelho (PSD), o atual presidente, Fernando Medina (PS), Inês Sousa Real (PAN), Joana Amaral Dias (Nós, Cidadãos!), Carlos Teixeira (PDR/JPP), António Arruda (PURP), José Pinto-Coelho (PNR), Amândio Madaleno (PTP) e Luís Júdice (PCTP-MRPP).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...