Medina diz sentir apoio, mas não dá "resultado por garantido"

O candidato socialista à presidência da Câmara de Lisboa e presidente da autarquia, Fernando Medina, disse hoje sentir "um grande apoio popular" nas ações de campanha, mas recusou a ideia de "resultado garantido".

"Não há nenhum resultado garantido, não há nenhum voto que esteja nas urnas antes do dia 01 [de outubro]. Só no dia 01 à noite é que saberemos quem é o vencedor das eleições", afirmou Fernando Medina.

Em declarações aos jornalistas no mercado da Ajuda, onde falou com comerciantes e clientes, o candidato aproveitou para dar uma "palavra sobre a campanha", destacando que tem sentido "um grande apoio popular, um grande carinho por parte das pessoas da cidade".

Na sua ótica, isso reflete "o que foi feito no último mandato, no que toca ao "avanço da cidade, da economia da cidade -- mais oportunidades de emprego --, de uma nova visão para o espaço público".

Fernando Medina acrescentou que também tem recebido "muito incentivo e muitas palavras de força" para continuar no cargo, que ocupou em abril de 2015, aquando da saída do então presidente do município, António Costa, para se candidatar a primeiro-ministro.

"Para que isso aconteça, é preciso que todos vão votar no próximo dia 01", lembrou.

Segundo o candidato, os munícipes que querem "a continuação deste processo de modernização da cidade de Lisboa, de mais emprego, de mais oportunidades, de melhoria da qualidade de vida e do espaço público, [...] um salto na melhoria do transporte público pela primeira vez em muitas décadas, mais habitação acessível para os jovens, mais centros de saúde para os mais idosos e mais pavimentos confortáveis" só têm "uma alternativa".

Até porque, continuou, "o PS é a única candidatura com um verdadeiro compromisso com a cidade [...], de quem não aspira a mais nada do que servir Lisboa e os lisboetas".

Na visita ao mercado, foram mais as palavras positivas do que negativas, ainda que tenha ouvido lembretes para a câmara apostar naquela infraestrutura.

"Ó Medina, isto está no papo", gritou um comerciante para o candidato e a sua comitiva.

Mas o cabeça de lista do PS não se deixou deslumbrar: "Não está não, é preciso que vá votar".

Nas eleições de 01 de outubro concorrem à presidência da Câmara de Lisboa Assunção Cristas (CDS-PP/MPT/PPM), João Ferreira (CDU), Ricardo Robles (BE), Teresa Leal Coelho (PSD), o atual presidente, Fernando Medina (PS), Inês Sousa Real (PAN), Joana Amaral Dias (Nós, Cidadãos!), Carlos Teixeira (PDR/JPP), António Arruda (PURP), José Pinto-Coelho (PNR), Amândio Madaleno (PTP) e Luís Júdice (PCTP-MRPP).

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.