Medina aposta em limites ao alojamento local e melhoria dos transportes

Candidato do Partido Socialista à autarquia da capital apresentou o programa esta quarta-feira

O candidato do PS à Câmara de Lisboa apresentou hoje o seu programa, com medidas como a criação de limites ao alojamento local e a melhoria dos transportes públicos, visando estar "à altura das necessidades do futuro".

Falando na apresentação do documento na sede da campanha, na capital, Fernando Medina disse que o programa de governo da candidatura "Lisboa Precisa de Todos" resulta de um "amplo debate público com a sociedade civil e do contributo de muitas centenas de milhares de cidadãos" e visa "estar à altura das necessidades do futuro da cidade".

Em causa estão 25 medidas para implementar até 2021, uma das quais implica a alteração do Regime do Alojamento Local, "para que o município tenha o poder de autorizar o acesso ao alojamento local em zonas determinadas", nomeadamente bairros históricos, indicou.

"A Câmara não tem qualquer poder sobre o assunto", frisou o candidato, falando na fixação de uma quota, que seria determinada pela autarquia, para assegurar "equilíbrio com o alojamento permanente".

Ainda na área da habitação, o autarca pretende uma alteração legislativa "de urgência" no Imposto Sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS), para que a tributação baixe de 28% para 10% nos proprietários com contratos de arrendamento com mais de 10 anos.

"Devem pagar menos impostos" do que os que têm contratos mais curtos, defendeu.

Prevê-se também a execução do Programa Renda Acessível, para o arrendamento de 6.000 fogos em toda a cidade com rendas entre 200 a 400 euros, bem como o alargamento deste projeto a operações urbanísticas de privados, alugando 25% dos fogos a custos controlados.

Outra pretensão é a de assegurar, junto do Governo, o investimento no transporte público, com a modernização da linha ferroviária de Cascais (que passaria a ser enterrada entre Belém e Alcântara) e com a criação de faixas BUS na Autoestrada 5 e nas principais vias de acesso a Lisboa.

"O número de carros que todos os dias entra na cidade é insustentável", observou Fernando Medina.

O PS quer, também, expandir a rede de elétricos, capacitar a rodoviária Carris (que passou a ser gerida pelo município em fevereiro), concluir o programa de 3.000 lugares de estacionamento dissuasores e ainda reforçar a rede de ciclovias em 200 quilómetros.

Ao nível do espaço público, pretende concretizar o plano de drenagem, continuar com o programa de requalificação do espaço público "Uma praça em cada bairro" e plantar mais 80 mil árvores.

Na área dos direitos sociais, está em causa a criação de 14 centros de saúde, de 650 camas de cuidados continuados e de oito centros intergeracionais, e ainda um financiamento de cinco milhões de euros para projetos que promovam o sucesso educativo.

Quanto à vertente económica, Fernando Medina quer introduzir o licenciamento célere dos projetos de escritórios para fixar mais empresas e criar um fundo de cinco milhões de euros para as universidades de Lisboa atraírem talento através de programas de investigação e bolsas de doutoramento.

Na Cultura, projeta a instituição de um banco de arte contemporânea, "para os artistas fazerem o depósito de obras", que serão expostas, referiu.

Da lista de medidas faz ainda parte uma aposta na transparência, através da criação, no início do mandato, de um Código de Conduta dos Eleitos e Dirigentes do Município de Lisboa, que indicará "como se devem comportar e o que devem ou não fazer".

Fernando Medina prometeu "cumprir aquilo que está a apresentar", de forma a "tornar Lisboa numa das melhores cidades do mundo ao nível da qualidade de vida".

"É um programa de ambição, mas de ambição realista, de quem conhece a realidade e os desafios", adiantou.

É presidente da Câmara de Lisboa desde 06 de abril de 2015, data em que substituiu nestas funções o atual primeiro-ministro e líder socialista, António Costa.

Numa candidatura denominada "Lisboa precisa de todos", o PS conta com o apoio do partido Livre e com os movimentos independentes Cidadãos por Lisboa e Lisboa é Muita Gente, estes últimos na sequência de acordos firmados em 2009.

Como adversários nestas eleições autárquicas, marcadas para 01 de outubro, terá Assunção Cristas (CDS-PP), João Ferreira (CDU), Ricardo Robles (BE), Teresa Leal Coelho (PSD), Inês Sousa Real (PAN), Joana Amaral Dias (Nós, Cidadãos!), Carlos Teixeira (independente apoiado pelo PDR e JPP), António Arruda (PURP) e José Pinto-Coelho (PNR).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?