Teresa Leal Coelho admite que Santana era 1.ª opção do PSD para Lisboa

Candidata social democrata garantiu que está na corrida para "ganhar"

A cabeça de lista do PSD à presidência da Câmara de Lisboa admitiu hoje que o antigo presidente da autarquia Santana Lopes foi a primeira opção do partido para a capital, mas garantiu que terá uma candidatura vencedora.

"Tenho de confessar que o PSD desejou, em primeiro lugar, que fosse Pedro Santana Lopes" a concorrer à autarquia, disse Teresa Leal Coelho, que falava na apresentação da sua candidatura, na Fundação Champalimaud, em Lisboa.

De acordo com a candidata, "seria uma grande honra" que Santana Lopes "concorresse e ganhasse".

"Como eu vou concorrer e ganhar", salientou.

Aquando da referência a Santana Lopes, a social-democrata equivocou-se e falou, inicialmente, no nome do líder do PSD, Pedro Passos Coelho.

"Eu confundo os ex-primeiro-ministros do PSD, ainda por cima são todos Pedros", comentou, admitindo estar "muito nervosa" com a presença "dos Pedros".

Dirigindo-se a Passos Coelho, agradeceu a confiança depositada para esta "tarefa difícil", não só durante a campanha eleitoral, mas também por ter tido "um antecessor de peso", Pedro Santana Lopes.

"Foi um presidente de Câmara com uma visão estratégica para Lisboa, humanista e progressista. Deixou obra em Lisboa e disso nós muito nos orgulhamos", sublinhou.

Teresa Leal Coelho disse ser "com muito orgulho, com muita ambição e com muita vontade" que encabeça esta candidatura, que visa alterar, "de todas as formas legítimas e lícitas", as prioridades assumidas pela atual maioria socialista no executivo.

"Espero poder chegar com a minha voz (...) aos cidadãos de Lisboa para que possam ouvir as nossas propostas", adiantou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.