João Ferreira (CDU) quer valorizar Proteção Civil municipal de Lisboa

O candidato da CDU à presidência da Câmara de Lisboa, João Ferreira, defendeu hoje a valorização do papel do Serviço Municipal de Proteção Civil e dos seus trabalhadores, comprometendo-se a "reverter o caminho de desinvestimento" da atual gestão municipal.

"Estamos hoje aqui no Serviço Municipal de Proteção Civil, porque é exemplar daquilo que foi um conjunto de opções tomadas pela última maioria [PS] de desinvestimento num conjunto de serviços fundamentais para a vida na cidade", declarou João Ferreira, no âmbito de uma visita às novas instalações da Proteção Civil de Lisboa, no Parque Florestal de Monsanto.

Com o propósito de dirigir uma mensagem aos trabalhadores do serviço, o candidato da CDU (PCP/PEV) ressalvou que não foi favorável à opção de mudança de instalações da Praça de Espanha para Monsanto.

"Este serviço foi afetado por uma transferência de instalações que foi mal planeada, ainda hoje há efeitos disso no terreno, aspetos dessa transferência que põem em causa a própria funcionalidade do serviço", advogou o também eurodeputado e vereador.

No contacto com os trabalhadores deste serviço municipal, o candidato quis saber se "está a correr bem a integração nas novas instalações", apelando ao voto na coligação PCP e PEV para que haja "uma outra gestão municipal".

"Já tivemos cá em outras circunstâncias com outros objetivos. Hoje a ideia é transmitir uma mensagem a propósito das eleições", afirmou João Ferreira, ao que uma trabalhadora respondeu: "Essas circunstâncias não mudaram muito. Não temos as condições que tínhamos na Praça de Espanha".

Apesar de a adaptação não estar a ser fácil, os trabalhadores destacaram "a capacidade de resiliência", reclamando um reforço dos autocarros na zona de Monsanto.

"A Câmara Municipal de Lisboa, ao longo de 10 anos, os 10 anos de gestão de maioria do PS em Lisboa, perdeu qualquer coisa como 4.000 trabalhadores. Isto sente-se hoje em várias áreas da vida da cidade, em setores operacionais diversos: da higiene e limpeza urbana ao saneamento, também Proteção Civil e Regimento Sapadores de Bombeiros", apontou o candidato.

João Ferreira disse que todos os votos na CDU vão contribuir para "uma defensa muito firme dos serviços públicos municipais e uma rutura com o caminho do desinvestimento e do desmantelamento destes serviços".

Nas eleições de 01 de outubro concorrem em Lisboa Assunção Cristas (CDS-PP/MPT/PPM), João Ferreira (CDU), Ricardo Robles (BE), Teresa Leal Coelho (PSD), o atual presidente, Fernando Medina (PS), Inês Sousa Real (PAN), Joana Amaral Dias (Nós, Cidadãos!), Carlos Teixeira (PDR/JPP), António Arruda (PURP), José Pinto-Coelho (PNR), Amândio Madaleno (PTP) e Luís Júdice (PCTP-MRPP).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.