Açores: Eleitora tentou votar com boletins fotocopiados

A secção do PS da Ribeira Grande, nos Açores, denunciou hoje que uma eleitora tentou votar em Rabo de Peixe com boletins de voto fotocopiados e já preenchidos.

"Hoje, em Rabo de Peixe, uma eleitora idosa levava consigo fotocópia dos boletins de voto já assinalados no quadrado do PPD/PSD para os vários órgãos do município", afirmou à agência Lusa Gloriana Carreiro, da secção do PS da Ribeira Grande, na ilha de São Miguel.

Segundo Gloriana Carreiro "esses boletins de voto foram caçados" e a eleitora já "foi identificada".

"Foi feita a reclamação por parte do delegado do PS na mesa e no final do dia irá ser registada na ata a ocorrência e juntos os boletins de voto para proceder à devida reclamação na Comissão Nacional de Eleições [CNE] e no Ministério Público", adiantou a responsável, salientando que "foi detetado este caso, mas tudo leva a crer que existam mais fotocópias a circular".

À agência Lusa, o delegado da CNE nos Açores, José Freitas, afirmou que lhe parece ter sido correto o procedimento levado a cabo pelos membros da mesa, "declarando nulos os votos e comunicando tal situação à CNE e ao MP".

"Estas duas entidades, a seu tempo, irão proceder às averiguações tidas por pertinentes e necessárias para aferir da veracidade da situação e das circunstâncias em que a cópia do boletim preenchido chegou às mãos da eleitora", explicou José Freitas.

O delegado esclareceu ainda ter contactado a CNE em Lisboa, que "confirmou ter recebido a denúncia via telefone".

A CNE já recebeu hoje cerca de mil participações, entre pedidos de esclarecimento e queixas, relacionadas com as eleições autárquicas, disse à agência Lusa o porta-voz da estrutura, indicando que a votação decorre com normalidade.

"Não temos conhecimento de qualquer boicote, houve apenas alguns atrasos na abertura de mesas de voto, muitos por causas de ordem funcional", afirmou João Tiago Machado, especificando que os atrasos se deveram à chegada tardia dos boletins de voto ou à falta de pessoas suficientes para abrir as mesas de voto,

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.