Cristas quer Feira Popular temática e ligada ao bairro Padre Cruz

Candidata a Lisboa do CDS-PP visitou esta sexta-feita o bairro Padre Cruz

A candidata do CDS-PP à Câmara de Lisboa, Assunção Cristas, defendeu hoje um projeto diferenciador para a Feira Popular e a sua ligação ao bairro Padre Cruz, exemplo de intervenção artística transformadora envolvendo a população.

"Este tema devia ser discutido e apresentado consensualmente, até ouvindo os moradores da cidade, mas podemos pensar em alguma coisa que tenha a ver com a história da própria cidade de Lisboa, a forma como a cidade se foi desenvolvendo ou com a dinâmica da ligação ao rio, ao mar e aos descobrimentos, mas certamente alguma coisa que diga em particular aquilo que é a nossa cidade, o nosso país", defendeu Assunção Cristas.

Numa visita ao bairro Padre Cruz, a candidata da coligação Pela Nossa Lisboa (CDS-PP/MPT/PPM) defendeu que a nova Feira Popular não pode estar separada daquela população por um muro, propondo "uma solução que integre e que chame as pessoas para o parque urbano e florestal" que a futura infraestrutura de diversões irá também contemplar.

Assunção Cristas insistiu que o novo parque de diversões seja temático: "Não pode ser uma feira igual a qualquer outra em qualquer parte do mundo".

Prosseguindo visitas que tem efetuado aos bairros da cidade, a candidata e líder do CDS quis hoje concentrar-se num bom exemplo, percorrendo a exposição de arte urbana constituída pelas intervenções nas empenas dos prédios do bairro padre Cruz.

Paulo Quaresma, o ex-presidente da Junta de Freguesia de Carnide (CDU), que dirige a associação Boutique de Cultura, responsável, com a associação Crescer a Cores, pelo projeto de "mudança através da arte urbana" daquele bairro, fez uma visita guiada à candidata, à semelhança das visitas guiadas que podem ser marcadas e que estão a trazer lisboetas e estrangeiros ao "maior bairro municipal da península ibérica".

"As pessoas vêm com medo e a meio da visita mudam de opinião", contou Paulo Quaresma, sublinhando que a arte urbana "aumentou muito a autoestima dos moradores".

"O bairro é seguro. O principal problema é a inércia da Gebalis em resolver os problemas com a habitação", sublinhou o dirigente associativo acerca da empresa municipal que gere os bairros sociais de Lisboa.

Assunção Cristas percorreu os diversos murais de 'street art', as ruas arborizadas e limpas do bairro, reteve o exemplo de envolvimento das populações nos projetos e também as queixas relativamente à Gebalis, que encerrou há cerca de um ano e meio o gabinete que disponha no bairro com 8 mil moradores.

"É um bairro com intervenção em arte urbana, com uma dinâmica há vários anos para valorizar o espaço urbano através da arte, envolvendo as populações. O que vemos, de facto, é uma diferença grande relativamente a outros bairros, é positivo, e mostra que é possível fazer estas transformações com as pessoas dos bairros", afirmou Assunção Cristas.

Sobre a Gebalis e questionada se propõe a sua eventual reestruturação ou extinção, Cristas diz não ter "ideias fechadas", mas vinca que "alguma coisa de muito relevante vai ter de acontecer e uma prioridade política vai ter de ser dada a estes bairros".

"É extraordinariamente prioritário que as casas que estão nos bairros fechadas, algumas há largos anos, sejam rapidamente colocadas à disposição das famílias carenciadas", sustentou.

A candidatura de Assunção Cristas estima que há cerca de 1600 casas encerradas e por atribuir, e tem vindo a insistir nessa questão desde que, em novembro do ano passado, começou a visitar os bairros geridos pela Gebalis.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.