Cristas entre o trânsito para responsabilizar PS pela "vida infernal"

"O trânsito está um caos, a vida das pessoas é infernal", disse Assunção Cristas. "Hoje estamos pior do que há cinco e há dez anos"

A candidata do CDS à Câmara de Lisboa, Assunção Cristas, distribuiu esta segunda-feira as suas propostas entre os automobilistas das vias em torno da rotunda de Entrecampos, responsabilizando o executivo autárquico pela "vida infernal" que é levada no trânsito.

"Hoje estamos pior do que há cinco e há dez anos", defendeu Assunção Cristas, considerando que muito do trânsito "tem a ver com as opções de Fernando Medina e da governação socialista para a cidade".

Cronometrando pelos semáforos o tempo passado no meio das faixas de rodagem, Cristas foi rápida no contacto com os automobilistas, a maioria dos quais aceitaram o panfleto com as propostas da coligação "Pela Nossa Lisboa" (CDS-PP/MPT/PPM).

"O trânsito está um caos, a vida das pessoas é infernal. Mais até do que o tempo que passam, é não saberem nunca quanto tempo vão passar no trânsito", apontou a candidata.

Na rotunda de Entrecampos, estavam agentes da polícia municipal a coordenar o tráfego, que ia fluindo, intenso, mas sem se mostrar compacto, enquanto Assunção Cristas percorria a Avenida das Forças Armadas para frente a para trás entre os carros, acompanhada pela candidata à Junta das Avenidas Novas, a ex-jornalista Raquel Abecassis, e por jovens da JP.

"Fartos deste trânsito" e "Assunção é a solução", lia-se nos cartazes, que provocaram algumas reações.

"Farta do trânsito e queres acabar com a EMEL? Isso é um contrassenso!", gritou um fiscal da empresa municipal de estacionamento de Lisboa, que descia as Forças Armadas com outros colegas, enquanto Cristas estava entre os carros.

No início da avenida Estados Unidos da América, um ciclista, equipado com calções de licra, atira: "Fartos deste trânsito? Só há um caminho: a bicicleta", defendeu.

Para Assunção Cristas também há espaço para a bicicleta numa mobilidade sustentável, além da aposta nos transportes públicos, com a melhoria da Carris e, sobretudo o Metro, insistindo na sua proposta de expansão do metropolitano com mais 200 estações até 2030.

Assunção Cristas defende também a construção de "silos auto", parques de estacionamento em altura que possam ser reconvertidos em serviços ou habitação num eventual cenário de excesso de oferta provocado pelo aumento da partilha de automóveis e da melhoria dos transportes públicos.

A 01 de outubro concorrem em Lisboa Assunção Cristas (CDS-PP/MPT/PPM), João Ferreira (CDU), Ricardo Robles (BE), Teresa Leal Coelho (PSD), o atual presidente, Fernando Medina (PS), Inês Sousa Real (PAN), Joana Amaral Dias (Nós, Cidadãos!), Carlos Teixeira (PDR/JPP), António Arruda (PURP), José Pinto-Coelho (PNR), Amândio Madaleno (PTP) e Luís Júdice (PCTP-MRPP).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.