Cristas diz que só mais metro acaba com hora de ponta constante, a "hora Medina"

"Já não há hora de ponta em Lisboa, agora é a hora Medina, que é a todas as horas", disse candidata do CDS-PP

A candidata do CDS-PP à Câmara de Lisboa distribuiu hoje o seu plano de expansão do metro aos passageiros do Campo Grande, considerando-a estrutural para acabar o "inferno no trânsito" que transformou a hora de ponta em "hora Medina".

"Temos um inferno no trânsito. Já não há hora de ponta em Lisboa, agora é a hora Medina, que é a todas as horas. A hora Medina é a hora de ponta em Lisboa, que é continuamente", disse Assunção Cristas aos jornalistas, junto à estação de metro do Campo Grande.

Para a candidata à Câmara da coligação "Pela Nossa Lisboa" (CDS-PP/MPT/PPM), a solução para a mobilidade na cidade passa pelo ordenamento do trânsito, os semáforos, a Carris, os elétricos, "mas também, e estruturalmente, com o metro".

Assunção Cristas argumentou que o projeto desenvolvido pelo CDS-PP de mais 20 estações de metro até 2030 "é hoje liderante": "Mais à esquerda ou mais ou centro direta, todos defendem a expansão do metro. Portanto, é uma ideia que, aliás, não é nova e que estudámos, desenvolvemos e apresentámos, e que primeiro sofreu críticas, e hoje está consensualizada".

A candidata que também é presidente do CDS-PP falava antes de seguir de metro até ao Rato, descendo a rua de São Bento até ao parlamento, para defender uma recomendação ao Governo sobre o Plano Estratégico dos Transportes e Infraestruturas (PETI), a que acrescentou a expansão dos metros de Lisboa e do Porto.

Assunção Cristas escolheu a estação do Campo Grande para distribuir panfletos com o plano de expansão que o gabinete de estudos do CDS-PP e a sua candidatura concretizaram, porque nela se prevê a junção ao Aeroporto, fazendo-a um ponto de convergência também da linha vermelha, além das atuais verde e amarela.

O plano passa também pelo crescimento "para Ocidente, que é uma área que não tem nada", e que Assunção Cristas diz que no passado Fernando Medina também já defendeu, 'esticando' a linha vermelha para Campolide, Amoreiras, Alcântara, Alto de Santo Amaro, Ajuda, Belém e Algés.

A estação de Algés, concelho de Oeiras, destina-se a escoar o tráfego da linha de Cascais, incentivando também o uso do comboio. Na última fase, o plano passa pelo crescimento até Loures.

Assunção Cristas assumiu a "visão metropolitana" do projeto e acusou o atual autarca que se candidata pelo PS de não ter "qualquer capacidade de ação e de influência junto do primeiro-ministro", apesar da afinidade política.

A 01 de outubro concorrem em Lisboa Assunção Cristas (CDS-PP/MPT/PPM), João Ferreira (CDU), Ricardo Robles (BE), Teresa Leal Coelho (PSD), o atual presidente, Fernando Medina (PS), Inês Sousa Real (PAN), Joana Amaral Dias (Nós, Cidadãos!), Carlos Teixeira (PDR/JPP), António Arruda (PURP), José Pinto-Coelho (PNR), Amândio Madaleno (PTP) e Luís Júdice (PCTP-MRPP).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.