Cerca de mil participações entre queixas e pedidos de esclarecimento

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) já recebeu hoje cerca de mil participações, entre pedidos de esclarecimento e queixas, relacionadas com as eleições autárquicas, disse à agência Lusa o porta-voz da estrutura, indicando que a votação decorre com normalidade.

"Não temos conhecimento de qualquer boicote, houve apenas alguns atrasos na abertura de mesas de voto, muitos por causas de ordem funcional", afirmou João Tiago Machado, especificando que os atrasos se deveram à chegada tardia dos boletins de voto ou à falta de pessoas suficientes para abrir as mesas de voto às 08:00.

Neste momento, acrescentou, todas as assembleias eleitorais estão a funcionar normalmente.

As queixas remetidas à Comissão Nacional de Eleições (CNE) relacionam-se sobretudo com publicações nas redes sociais e alegados comportamentos indevidos de autarcas, no que respeita ao dever de imparcialidade e neutralidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.