CDU quer travar expulsão de moradores de Lisboa devido à especulação imobiliária

João Ferreira afirmou que a Câmara de Lisboa tem mecanismos para contrariar os efeitos negativos da lei das rendas, mas a opção da atual gestão municipal tem sido "acentuar esses efeitos negativos"

O candidato da CDU à Câmara de Lisboa, João Ferreira, defendeu esta segunda-feira a necessidade de contrariar os efeitos negativos da lei das rendas do anterior Governo PSD/CDS-PP, nomeadamente a expulsão dos moradores da cidade devido à especulação imobiliária.

Em visita ao bairro da Mouraria, onde foi confrontado com preocupações de moradores e de comerciantes relativamente à política de arrendamento, João Ferreira afirmou que a Câmara de Lisboa tem mecanismos para contrariar os efeitos negativos da lei das rendas, mas a opção da atual gestão municipal de maioria PS tem sido "acentuar esses efeitos negativos".

"São alienados imóveis municipais em condições extremamente favoráveis para os promotores imobiliários, sem qualquer condicionante quanto à utilização futura desses imóveis, uma grande parte deles veio a dar lugar a novos 'hostéis', novos hotéis, novos edifícios integralmente dedicados a alojamento local", criticou o candidato da CDU, em declarações aos jornalistas.

Nas ruas estreitas da Mouraria, o comerciante Rui Pedro, que nasceu há 46 anos neste bairro de Lisboa, reclama ser o único lojista português na zona, aproveitando para elogiar a candidatura de João Ferreira.

"Se calhar, vai ser o último voto que vai ter meu", afirmou o comerciante, explicando que o proprietário do prédio onde tem a loja e onde reside quer expulsá-lo com o argumento de fazer obras profundas.

Situação idêntica enfrenta Patrícia Santos, que vive com o marido e dois filhos no bairro e que já sabe que a Câmara autorizou a instalação de um 'hostel' no seu prédio.

"Qualquer dia não há ninguém aqui a morar", disse a moradora, manifestando-se preocupada com a necessidade de encontrar uma nova casa para viver na zona, de forma a continuar perto do trabalho e da escola dos filhos.

Na perspetiva de João Ferreira, a expulsão de moradores e de comerciantes tem provocado "uma recomposição social profunda e muita agressiva da cidade".

"O turismo tem que ser compatibilizado com um conjunto de outras funções fundamentais da vida da cidade, com a habitação, com o comércio local, e é isso que não está a acontecer porque a Câmara se demitiu de uma função reguladora que lhe cabe e que é imprescindível que exerça", advogou o candidato da CDU, defendendo ainda a revogação da lei das rendas.

Nas eleições de 01 de outubro concorrem em Lisboa Assunção Cristas (CDS-PP/MPT/PPM), João Ferreira (CDU), Ricardo Robles (BE), Teresa Leal Coelho (PSD), o atual presidente, Fernando Medina (PS), Inês Sousa Real (PAN), Joana Amaral Dias (Nós, Cidadãos!), Carlos Teixeira (PDR/JPP), António Arruda (PURP), José Pinto-Coelho (PNR), Amândio Madaleno (PTP) e Luís Júdice (PCTP-MRPP).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.