CDU quer travar expulsão de moradores de Lisboa devido à especulação imobiliária

João Ferreira afirmou que a Câmara de Lisboa tem mecanismos para contrariar os efeitos negativos da lei das rendas, mas a opção da atual gestão municipal tem sido "acentuar esses efeitos negativos"

O candidato da CDU à Câmara de Lisboa, João Ferreira, defendeu esta segunda-feira a necessidade de contrariar os efeitos negativos da lei das rendas do anterior Governo PSD/CDS-PP, nomeadamente a expulsão dos moradores da cidade devido à especulação imobiliária.

Em visita ao bairro da Mouraria, onde foi confrontado com preocupações de moradores e de comerciantes relativamente à política de arrendamento, João Ferreira afirmou que a Câmara de Lisboa tem mecanismos para contrariar os efeitos negativos da lei das rendas, mas a opção da atual gestão municipal de maioria PS tem sido "acentuar esses efeitos negativos".

"São alienados imóveis municipais em condições extremamente favoráveis para os promotores imobiliários, sem qualquer condicionante quanto à utilização futura desses imóveis, uma grande parte deles veio a dar lugar a novos 'hostéis', novos hotéis, novos edifícios integralmente dedicados a alojamento local", criticou o candidato da CDU, em declarações aos jornalistas.

Nas ruas estreitas da Mouraria, o comerciante Rui Pedro, que nasceu há 46 anos neste bairro de Lisboa, reclama ser o único lojista português na zona, aproveitando para elogiar a candidatura de João Ferreira.

"Se calhar, vai ser o último voto que vai ter meu", afirmou o comerciante, explicando que o proprietário do prédio onde tem a loja e onde reside quer expulsá-lo com o argumento de fazer obras profundas.

Situação idêntica enfrenta Patrícia Santos, que vive com o marido e dois filhos no bairro e que já sabe que a Câmara autorizou a instalação de um 'hostel' no seu prédio.

"Qualquer dia não há ninguém aqui a morar", disse a moradora, manifestando-se preocupada com a necessidade de encontrar uma nova casa para viver na zona, de forma a continuar perto do trabalho e da escola dos filhos.

Na perspetiva de João Ferreira, a expulsão de moradores e de comerciantes tem provocado "uma recomposição social profunda e muita agressiva da cidade".

"O turismo tem que ser compatibilizado com um conjunto de outras funções fundamentais da vida da cidade, com a habitação, com o comércio local, e é isso que não está a acontecer porque a Câmara se demitiu de uma função reguladora que lhe cabe e que é imprescindível que exerça", advogou o candidato da CDU, defendendo ainda a revogação da lei das rendas.

Nas eleições de 01 de outubro concorrem em Lisboa Assunção Cristas (CDS-PP/MPT/PPM), João Ferreira (CDU), Ricardo Robles (BE), Teresa Leal Coelho (PSD), o atual presidente, Fernando Medina (PS), Inês Sousa Real (PAN), Joana Amaral Dias (Nós, Cidadãos!), Carlos Teixeira (PDR/JPP), António Arruda (PURP), José Pinto-Coelho (PNR), Amândio Madaleno (PTP) e Luís Júdice (PCTP-MRPP).

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."