Candidatura de Rui Moreira apresenta queixa contra o PS

Candidatura independente acusa um deputado do PS de partilhar no Facebook "conteúdo político relevante"

A candidatura autárquica de Rui Moreira, no Porto, enviou hoje à Comissão Nacional de Eleições (CNE) uma queixa contra o PS por ações de alegada propaganda política nas redes sociais em dia de eleições.

A candidatura independente acusa um deputado com responsabilidades na concelhia e candidato à Assembleia Municipal do Porto, "diretamente envolvido no ato eleitoral" de colocar na sua página de Facebook, de forma livre e acessível para todos, "conteúdo político relevante".

"Ontem partilhou, deixando que os comentários resvalassem para a pura propaganda política, fotografias do candidato Manuel Pizarro, consigo, que assim se deixou fotografar. O comentário é ele próprio alusivo à eleição", lê-se na queixa.

Na descrição, refere-se também que uma publicação partilhada no sábado, dia de reflexão, mostrava um mural pintado pelo próprio candidato, com um dos seus 'slogans' de campanha.

"Ainda esta manhã, já em dia de eleições, aproveitou uma fotografia da cidade para adensar as críticas da sua campanha ao atual presidente da câmara e recandidato", indica-se no texto que seguiu para a CNE.

A candidatura solicita à CNE, com caráter de urgência, que atue no sentido de impedir a utilização destes meios de propaganda de forma reiterada, em violação da lei.

Na queixa são alegadas as recomendações da CNE a este respeito e o artigo 177º da Lei Eleitoral dos Órgãos das Autarquias Locais relativo à proibição de praticar ações ou desenvolver atividades de propaganda eleitoral na véspera e no dia das eleições.

O porta-voz da CNE, João Tiago Machado, disse à agência Lusa que deverão chegar várias queixas deste género ao longo do dia, sendo apreciadas em reunião plenária daquela entidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.