Candidatura de Rui Moreira apresenta queixa contra o PS

Candidatura independente acusa um deputado do PS de partilhar no Facebook "conteúdo político relevante"

A candidatura autárquica de Rui Moreira, no Porto, enviou hoje à Comissão Nacional de Eleições (CNE) uma queixa contra o PS por ações de alegada propaganda política nas redes sociais em dia de eleições.

A candidatura independente acusa um deputado com responsabilidades na concelhia e candidato à Assembleia Municipal do Porto, "diretamente envolvido no ato eleitoral" de colocar na sua página de Facebook, de forma livre e acessível para todos, "conteúdo político relevante".

"Ontem partilhou, deixando que os comentários resvalassem para a pura propaganda política, fotografias do candidato Manuel Pizarro, consigo, que assim se deixou fotografar. O comentário é ele próprio alusivo à eleição", lê-se na queixa.

Na descrição, refere-se também que uma publicação partilhada no sábado, dia de reflexão, mostrava um mural pintado pelo próprio candidato, com um dos seus 'slogans' de campanha.

"Ainda esta manhã, já em dia de eleições, aproveitou uma fotografia da cidade para adensar as críticas da sua campanha ao atual presidente da câmara e recandidato", indica-se no texto que seguiu para a CNE.

A candidatura solicita à CNE, com caráter de urgência, que atue no sentido de impedir a utilização destes meios de propaganda de forma reiterada, em violação da lei.

Na queixa são alegadas as recomendações da CNE a este respeito e o artigo 177º da Lei Eleitoral dos Órgãos das Autarquias Locais relativo à proibição de praticar ações ou desenvolver atividades de propaganda eleitoral na véspera e no dia das eleições.

O porta-voz da CNE, João Tiago Machado, disse à agência Lusa que deverão chegar várias queixas deste género ao longo do dia, sendo apreciadas em reunião plenária daquela entidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.