Atualização do recenseamento eleitoral suspensa a partir de hoje

A atualização do recenseamento eleitoral está suspensa a partir de hoje e até dia 01 de outubro, data das eleições autárquicas, de acordo com o mapa-calendário das operações eleitorais divulgado pela Comissão Nacional de Eleições (CNE).

"No 60.º dia que antecede cada eleição (...) e até à sua realização, é suspensa a atualização do recenseamento eleitoral", é referido no mapa-calendário.

De acordo com um diploma publicado em 17 de julho em Diário da República, Portugal tem 9.396.680 eleitores inscritos que podem votar nas próximas eleições autárquicas, menos do que nas anteriores, em que estavam registados pouco mais de 9,5 milhões.

Segundo o diploma, os últimos dados da base central do recenseamento eleitoral indicavam que estão inscritos 9.369.574 cidadãos nacionais, 13.462 cidadãos da União Europeia, não nacionais, e 13.644 outros cidadãos estrangeiros residentes em Portugal.

Nas últimas eleições autárquicas, em 2013, estavam inscritos 9.501.103 eleitores. Destes, pouco mais de metade votaram, uma vez que a abstenção foi de 47,40% (não votaram 4.503.098 eleitores).

As eleições autárquicas estão marcadas para 01 de outubro deste ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.