Autarquia transforma escolas em lares para famílias carenciadas

A Câmara de Baião vai transformar seis antigas escolas primárias em 17 moradias destinadas a alojar famílias carenciadas, revela um comunicado da autarquia.

Segundo o documento, que cita o presidente José Luís Carneiro, "a opção pela reabilitação vai garantir melhores condições de vida a populações com menos recursos económicos e dar novo uso a um património municipal que se encontra desativado".

As casas vão ser disponibilizadas às famílias, em regime de arrendamento, a preços controlados, em função dos respetivos rendimentos. As intervenções serão realizadas exclusivamente com recursos financeiros do município.

A primeira ação no âmbito deste programa vai avançar na antiga escola da freguesia de Loivos do Monte, para a qual se anuncia a construção de duas moradias T1 e uma T2.

A localidade irá disponibilizar, também, de um espaço destinado ao convívio e ao encontro da comunidade local. Para o presidente da câmara, "estes espaços fazem parte da vida das comunidades locais e, por isso, pretende-se que se adequem em termos estéticos e urbanísticos ao meio envolvente".

José Luís Carneiro recorda, por outro lado, que o projeto tem "a preocupação de envolver os habitantes de cada freguesia em torno das novas estruturas".

"Pretendemos que os centros de convívio sirvam de elo de ligação e de ponto de encontro para a população local e que possam constituir respostas sociais, por exemplo, para o acompanhamento da população mais idosa",salienta.

Este projeto de adaptação de antigas escolas primárias insere-se numa estratégia mais ampla do município, no sentido de dar uma nova finalidade aos edifícios desativados.

Algumas antigas escolas primárias foram cedidas a associações culturais, recreativas ou desportivas do concelho. Outras foram adaptadas para a promoção do turismo e o contacto com a natureza, nomeadamente junto às zonas ribeirinhas ou de montanha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?