Autarquia, PS e PCP contra fecho da Urgência

Autarquia, PS e PCP de Oliveira de Azeméis opõem-se ao estudo do Governo que recomenda o fecho da Urgência do Hospital de S. Miguel, defendendo que ignora a realidade regional e propõe o caos para o S. Sebastião, na Feira.

Hermínio Loureiro é o presidente da Câmara Municipal e declarou à Lusa: "Discordamos completamente do estudo. É um estudo técnico, no qual, infelizmente, as autarquias locais não foram envolvidas. E como qualquer estudo técnico, tem naturalmente falhas, erros e omissões".

Uma das críticas apontada ao documento é o facto de que "a urgência do Hospital de Oliveira de Azeméis não serve só os utentes desse concelho". O autarca realça que esse serviço recebe pessoas de Ovar, Estarreja, Albergaria-a-Velha e ainda as de Vale de Cambra, Arouca e S. João da Madeira, pelo que, "a colocar-se em cima da mesa o encerramento de Oliveira de Azeméis, a situação da Urgência do Hospital S. Sebastião, em Santa Maria da Feira, tornava-se completamente caótica".

Revelando que a Câmara já solicitou reuniões sobre o tema com a Administração Regional de Saúde, o Centro Hospitalar do Entre Douro e Vouga (que tutela o S. Sebastião), o Ministério da Saúde e a Associação Nacional de Municípios Portugueses, Hermínio Loureiro adianta: "O Município de Oliveira de Azeméis confia no bom senso político que irá decidir sobre a matéria em apreço. As urgências de Oliveira de Azeméis foram requalificadas há quatro anos e contaram com um grande investimento. Os pressupostos que conduziram à requalificação da urgência e à criação de um serviço de urgência básica não foram alterados".

Em comunicado, a concelhia do PS adota uma perspetiva idêntica: "Não se compreende quais os critérios que determinam o encerramento da urgência hospitalar em Oliveira de Azeméis, a não ser o completo desconhecimento da realidade e uma mera lógica de poupança imediata - mesmo que com graves prejuízos para a saúde dos oliveirenses - ou então um absoluto desprezo pelas populações e uma deriva política no que concerne ao processo de decisão".

Recordando que "o concelho de Oliveira de Azeméis era apontado como o local estratégico para a construção de um novo hospital na região de Entre Douro e Vouga", projeto esse que chegou a ser "alvo de despacho por parte do anterior Governo", os socialistas questionam "como se explica que, apenas por se ter mudado a governação, as conclusões sejam agora tão diferentes".

"Das duas, uma", avança o PS. "Ou a informação que esteve na base do atual estudo não é rigorosa, porque desconhece a nossa realidade e o avultado investimento efetuado na requalificação do serviço de urgências, (...) ou então estamos em presença de uma abordagem experimentalista - que merece o nosso total repúdio - de promoção de determinados autarcas locais, cujos concelhos, inicialmente incluídos no rol dos afetados, deixariam de o estar".

Para a concelhia do PCP, "é fundamental que, como em tantas outras localidades, a população venha para a rua defender um direito que é seu, pois é a saúde que lhe está a ser tirada".

Em comunicado, os comunistas criticam "a senda persecutória" do Governo contra o Serviço Nacional de Saúde e repudiam o eventual encerramento da Urgência do S. Miguel na medida em que isso significará que "as populações e os mais desfavorecidos" ficarão sem um serviço "de proximidade e qualidade, inaugurado em 2008 com pompa e mediatismo político".

"Primeiro, foi o encerramento da Maternidade, depois da Pediatria e outras valências que tão bons serviços prestaram à população", refere o PCP, que nessa lista de estruturas perdidas inclui ainda as extensões de saúde de Palmaz, Travanca e S. Martinho da Gândara. "Vamos assistindo ao esvaziamento de serviços, valências, médicos, enfermeiros e pessoal administrativo, e agora somos confrontados com esta medida".

Os comunistas recomendam "determinação e confiança" para "travar esta brutal ofensiva" e concluem: "Exige-se que qualquer Governo cumpra as suas obrigações constitucionais na defesa justa e humana das populações no acesso à Saúde, com um verdadeiro Serviço Nacional de Saúde, universal, geral e gratuito".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.