Autarcas denunciam perigo e exigem obras urgentes na Ponte do Guadiana

Infraestruturas de Portugal garante que a estrutura é segura, caso contrário já teria tomado "medidas cautelares"

A Infraestruturas de Portugal (IP) garantiu hoje que a estrutura da ponte sobre o Guadiana, que liga o Algarve ao sul de Espanha, é "absolutamente segura", adiantando que a obra de reabilitação deverá arrancar em setembro.

Segundo noticiou hoje a TSF, as câmaras de Vila Real de Santo António e de Castro Marim, no distrito de Faro, exigem obras urgentes na Ponte Internacional do Guadiana, invocando problemas de segurança decorrentes, nomeadamente, do facto de um dos 37 cabos de aço de um tirante da estrutura se ter partido há quase um ano.

A rádio falou ainda com o bastonário da Ordem dos Engenheiros, Carlos Matias Ramos, que defende que a ponte deveria ter tido obras "há mais de um ano". "Muitas vezes, dificuldades de natureza orçamental dificultam, inviabilizam as intervenções em tempo e isto preocupa a ordem dos engenheiros", resumiu o bastonário em declarações à TSF.

Em declarações à agência Lusa, Rui Coutinho, da IP, confirmou que um "dos vários milhares de cordões" que compõem os 128 tirantes existentes na ponte se soltou em junho passado, mas afirmou que a segurança estrutural da ponte está "totalmente salvaguardada" para a circulação de automóveis, caso contrário, a empresa "já teria tomado medidas cautelares".

De acordo com o mesmo responsável, a ponte, inaugurada há 25 anos, é composta por 128 tirantes e cada um possui 37 cordões, o que significa que a ponte, no total, possui cerca de 4.700 cordões, não existindo, por isso, perigo para a circulação.

Em setembro do ano passado, a Infraestruturas de Portugal anunciou um investimento de 13 milhões de euros, partilhado com Espanha, na manutenção e reabilitação da Ponte Internacional do Guadiana e do viaduto de acesso à via.

Segundo Rui Coutinho, uma das intervenções previstas é a substituição de cerca de 150 cordões que compõem os tirantes da ponte, o que é "expectável", numa obra com 25 anos.

A empresa precisou ainda que, além da reabilitação do sistema de tirantes, serão também reabilitados os elementos de betão armado, dos aparelhos de apoio, juntas e elementos de segurança e da iluminação e sinalização da área fluvial.

Vai também ser remodelada a sinalização e implantado um sistema de sinalização variável, assim como a iluminação decorativa da ponte e a sua monitorização, acrescentou.

Depois de adjudicada, o que acontecerá em breve, a obra deverá começar depois do verão, para não interferir com a época balnear, prevendo-se que dure cerca de um ano e meio e, por isso, se estenda até ao ano de 2018.

O responsável frisou que a ponte é alvo de inspeções regulares, pontualmente apoiadas pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC).

Recentemente, registaram-se também falhas na iluminação da ponte devido à ocorrência de um curto-circuito no Posto de Transformação, instalado no lado de Portugal, situação entretanto reparada.

A Ponte do Guadiana, que liga o Algarve e a região espanhola da Andaluzia, entrou em funcionamento em agosto de 1991.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.