Autarcas denunciam perigo e exigem obras urgentes na Ponte do Guadiana

Infraestruturas de Portugal garante que a estrutura é segura, caso contrário já teria tomado "medidas cautelares"

A Infraestruturas de Portugal (IP) garantiu hoje que a estrutura da ponte sobre o Guadiana, que liga o Algarve ao sul de Espanha, é "absolutamente segura", adiantando que a obra de reabilitação deverá arrancar em setembro.

Segundo noticiou hoje a TSF, as câmaras de Vila Real de Santo António e de Castro Marim, no distrito de Faro, exigem obras urgentes na Ponte Internacional do Guadiana, invocando problemas de segurança decorrentes, nomeadamente, do facto de um dos 37 cabos de aço de um tirante da estrutura se ter partido há quase um ano.

A rádio falou ainda com o bastonário da Ordem dos Engenheiros, Carlos Matias Ramos, que defende que a ponte deveria ter tido obras "há mais de um ano". "Muitas vezes, dificuldades de natureza orçamental dificultam, inviabilizam as intervenções em tempo e isto preocupa a ordem dos engenheiros", resumiu o bastonário em declarações à TSF.

Em declarações à agência Lusa, Rui Coutinho, da IP, confirmou que um "dos vários milhares de cordões" que compõem os 128 tirantes existentes na ponte se soltou em junho passado, mas afirmou que a segurança estrutural da ponte está "totalmente salvaguardada" para a circulação de automóveis, caso contrário, a empresa "já teria tomado medidas cautelares".

De acordo com o mesmo responsável, a ponte, inaugurada há 25 anos, é composta por 128 tirantes e cada um possui 37 cordões, o que significa que a ponte, no total, possui cerca de 4.700 cordões, não existindo, por isso, perigo para a circulação.

Em setembro do ano passado, a Infraestruturas de Portugal anunciou um investimento de 13 milhões de euros, partilhado com Espanha, na manutenção e reabilitação da Ponte Internacional do Guadiana e do viaduto de acesso à via.

Segundo Rui Coutinho, uma das intervenções previstas é a substituição de cerca de 150 cordões que compõem os tirantes da ponte, o que é "expectável", numa obra com 25 anos.

A empresa precisou ainda que, além da reabilitação do sistema de tirantes, serão também reabilitados os elementos de betão armado, dos aparelhos de apoio, juntas e elementos de segurança e da iluminação e sinalização da área fluvial.

Vai também ser remodelada a sinalização e implantado um sistema de sinalização variável, assim como a iluminação decorativa da ponte e a sua monitorização, acrescentou.

Depois de adjudicada, o que acontecerá em breve, a obra deverá começar depois do verão, para não interferir com a época balnear, prevendo-se que dure cerca de um ano e meio e, por isso, se estenda até ao ano de 2018.

O responsável frisou que a ponte é alvo de inspeções regulares, pontualmente apoiadas pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC).

Recentemente, registaram-se também falhas na iluminação da ponte devido à ocorrência de um curto-circuito no Posto de Transformação, instalado no lado de Portugal, situação entretanto reparada.

A Ponte do Guadiana, que liga o Algarve e a região espanhola da Andaluzia, entrou em funcionamento em agosto de 1991.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.