Autarcas denunciam perigo e exigem obras urgentes na Ponte do Guadiana

Infraestruturas de Portugal garante que a estrutura é segura, caso contrário já teria tomado "medidas cautelares"

A Infraestruturas de Portugal (IP) garantiu hoje que a estrutura da ponte sobre o Guadiana, que liga o Algarve ao sul de Espanha, é "absolutamente segura", adiantando que a obra de reabilitação deverá arrancar em setembro.

Segundo noticiou hoje a TSF, as câmaras de Vila Real de Santo António e de Castro Marim, no distrito de Faro, exigem obras urgentes na Ponte Internacional do Guadiana, invocando problemas de segurança decorrentes, nomeadamente, do facto de um dos 37 cabos de aço de um tirante da estrutura se ter partido há quase um ano.

A rádio falou ainda com o bastonário da Ordem dos Engenheiros, Carlos Matias Ramos, que defende que a ponte deveria ter tido obras "há mais de um ano". "Muitas vezes, dificuldades de natureza orçamental dificultam, inviabilizam as intervenções em tempo e isto preocupa a ordem dos engenheiros", resumiu o bastonário em declarações à TSF.

Em declarações à agência Lusa, Rui Coutinho, da IP, confirmou que um "dos vários milhares de cordões" que compõem os 128 tirantes existentes na ponte se soltou em junho passado, mas afirmou que a segurança estrutural da ponte está "totalmente salvaguardada" para a circulação de automóveis, caso contrário, a empresa "já teria tomado medidas cautelares".

De acordo com o mesmo responsável, a ponte, inaugurada há 25 anos, é composta por 128 tirantes e cada um possui 37 cordões, o que significa que a ponte, no total, possui cerca de 4.700 cordões, não existindo, por isso, perigo para a circulação.

Em setembro do ano passado, a Infraestruturas de Portugal anunciou um investimento de 13 milhões de euros, partilhado com Espanha, na manutenção e reabilitação da Ponte Internacional do Guadiana e do viaduto de acesso à via.

Segundo Rui Coutinho, uma das intervenções previstas é a substituição de cerca de 150 cordões que compõem os tirantes da ponte, o que é "expectável", numa obra com 25 anos.

A empresa precisou ainda que, além da reabilitação do sistema de tirantes, serão também reabilitados os elementos de betão armado, dos aparelhos de apoio, juntas e elementos de segurança e da iluminação e sinalização da área fluvial.

Vai também ser remodelada a sinalização e implantado um sistema de sinalização variável, assim como a iluminação decorativa da ponte e a sua monitorização, acrescentou.

Depois de adjudicada, o que acontecerá em breve, a obra deverá começar depois do verão, para não interferir com a época balnear, prevendo-se que dure cerca de um ano e meio e, por isso, se estenda até ao ano de 2018.

O responsável frisou que a ponte é alvo de inspeções regulares, pontualmente apoiadas pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC).

Recentemente, registaram-se também falhas na iluminação da ponte devido à ocorrência de um curto-circuito no Posto de Transformação, instalado no lado de Portugal, situação entretanto reparada.

A Ponte do Guadiana, que liga o Algarve e a região espanhola da Andaluzia, entrou em funcionamento em agosto de 1991.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.