Autarca de Bragança julgado por abuso de poder

O presidente da Câmara de Bragança, Jorge Nunes, vai responder pelos crimes de abuso de poder e desobediência num julgamento com início marcado para hoje, em que arrisca a perda de mandato.

O caso arrasta-se há cinco anos e envolve um antigo adversário político, que se queixou de discriminação, e decisões judiciais que alegadamente não foram cumpridas pelo autarca.

O início do julgamento está marcado para hoje à tarde no Tribunal de Bragança e tem ainda um segundo arguido, o antigo diretor do aeródromo municipal, João Rodrigues.

Os crimes de que o autarca é acusado são punidos com penas de prisão ou multa e o de abuso de poder tem também como pena acessória a perda de mandato.

Jorge Nunes arrisca-se a perder o mandato justamente em vésperas de terminar funções, já que está a poucos meses de deixar a presidência do município, que lidera há quase 16 anos, eleito pelo PSD.

O caso foi levado aos tribunais por um antigo adversário político, o juiz desembargador Marcolino de Jesus, que concorreu pelo PS à Câmara de Bragança, nas autárquicas de 2005, ganhas por Jorge Nunes.

O queixoso pede uma indemnização de 37.500 euros.

A Câmara de Bragança foi, entretanto, condenada a indemnizar o juiz desembargador pelos prejuízos causados, na sequência do mesmo caso, mas num processo administrativo.

O juiz queixa-se de ter sido "discriminado" ao ser impedido pela autarquia de guardar o avião pessoal no hangar do aeródromo municipal utilizado pelo aeroclube de Bragança e outros pilotos amadores.

O queixoso avançou com uma ação no Tribunal Administrativo e Fiscal de Mirandela acompanhada de uma providência cautelar que foi aceite e obrigava a autarquia a aceitar o avião no hangar.

Porém, o tribunal teve de ordenar a intervenção da GNR, a 14 de novembro de 2008, para fazer cumprir a decisão por o município não o ter feito voluntariamente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.