Aumento de 11 por cento nas indemnizações de seguro

O ministro da Administração Interna anunciou hoje "um reforço importante" na apólice dos seguros que cobrem a atividade dos bombeiros, com aumentos de 11 por cento das indemnizações em caso de morte ou invalidez e 400% em tratamentos.

"Em caso de morte ou invalidez permanente, os valores passam de 225 para 250 vezes o salário mínimo nacional. No que diz respeito aos tratamentos, o valor (limite) passa de 20 para 100 vezes o salário mínimo nacional previsto nas apólices de seguro", disse Miguel Macedo. O governante congratulou-se com o fim "de uma negociação difícil".

"Julgo que este resultado satisfaz todos, porque todas as partes assumiram as suas responsabilidades. Foi uma negociação difícil, entre o Governo, Liga Portuguesa de Bombeiros e Associação Nacional de Municípios Portugueses, mas que teve bons resultados", destacou.

O ministro da Administração Interna informou que esta atualização do valor das apólices dos seguros vai estar em vigor já no próximo período crítico dos incêndios florestais. No seu entender, esta foi uma "solução positiva", que foi possível construir face à exigências apresentadas pela Liga Portuguesa de Bombeiros.

O anuncio foi feito em Viseu durante a entrega de mais de 600 equipamentos portáteis para operação na Rede SIRESP - Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal, aos corpos de bombeiros do Agrupamento Centro-Norte (corpos de bombeiros dos distritos de Aveiro, Coimbra, Guarda e Viseu).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".