Auditoria aos incêndios de Pedrógão divulgada pelo Ministério Público

Procuradoriaa Geral da República considera que divulgação do documento não prejudica a investigação

O Ministério Público decidiu revelar, esta quinta-feira, o relatório da auditoria da Proteção Civil aos incêndios de Pedrógão Grande, considerando que a revelação do documento não prejudica a investigação ao mesmo.

Trata-se do relatório final da Autoridade Nacional de Proteção Civil enviada para o Ministério Público em novembro de 2017.

Em nota publicada no seu site oficial, a Procuradoria Geral da República afirma que é "face à relevância do respetivo conteúdo para o esclarecimento público e por se considerar que não existe prejuízo para a investigação" que se procede à divulgação do documento, "do qual foram retiradas as identidades das pessoas nele mencionadas".

No documento, entre outras críticas, referem-se "limitações na obtenção de elementos de prova".

"Importa referir que ao longo do presente inquérito sempre nos deparámos com limitações na obtenção de elementos de prova não consentâneas com as possibilidades que fornecem as tecnologias atuais", lê-se no relatório.

O relatório precisa que "não foi possível aceder a um único SITAC [quadro de situação tática], a um único quadro de informação das células ou a um PEA [plano estratégico de ação]", já que "todos esses documentos haviam sido ou apagados dos quadros da VCOC [viatura de comando e comunicações] e VPCC [veículo de planeamento, comando e comunicações] ou destruídos os documentos em papel que os suportavam". Com Lusa

O documento pode ser consultado AQUI

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).