Porto Editora retoma operações quando houver condições de segurança

Esta manhã uma "pequena parte do teto da nave central da gráfica do edifício na Porto Editora na Maia ruiu", provocando três feridos ligeiros

Os 150 trabalhadores da Porto Editora na Maia foram para casa após parte do teto ter ruído na sequência de um "fenómeno climatérico extremo", só retomando a atividade quando estiveram asseguradas condições de segurança, disse fonte daquela editora.

Em declarações à Lusa, Paulo Gonçalves, assessor da Porto Editora, explicou que pelas 11:05 de hoje uma "pequena parte do teto da nave central da gráfica do edifício na Porto Editora na Maia ruiu", provocando três feridos ligeiros que, depois de assistidos no local, pelo INEM tiveram alta no local.

A causa da queda de parte do teto "ainda se desconhece, mas coincidiu com fenómeno climatérico extremo", acrescentou Paulo Gonçalves, referindo todavia, que o edifício é "moderno", está em "excelentes condições" e tem vistorias de manutenção todas as semanas".

"Nada faria esperar esta situação", frisou, afirmando que os prejuízos são "avultados", porque o teto caiu em cima de máquinas de impressão de grande produção gráfica.

Tantos os três feridos, como os restantes trabalhadores da editora foram reencaminhados para casa.

"Retomaremos os trabalhos única e exclusivamente quando as condições de segurança e de trabalho estiveram asseguradas", assegurou Paulo Gonçalves.

A Proteção Civil foi ao local para avaliar os estragos, disse ainda a mesma fonte.

Fonte do Comando Distrital de Operação de Socorros (CDOS) do Porto disse à Lusa que durante a manhã de hoje, devido ao mau tempo, registaram-se "várias dezenas" de ocorrências como inundações, quedas de árvores e quedas de chapas das fachadas de habitações, designadamente na Avenida da Boavista.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) prevê para hoje no continente céu geralmente muito nublado, períodos de chuva, por vezes forte, passando gradualmente a regime de aguaceiros a partir da tarde, e que poderão ser por vezes fortes, de granizo e acompanhados de trovoada.

Está também prevista queda de neve nos pontos mais altos da Serra da Estrela, descendo gradualmente a cota para 1000/1200 metros.

A previsão aponta ainda para vento moderado a forte do quadrante sul, soprando temporariamente com rajadas até 90 quilómetros por hora, em especial no litoral, e sendo forte nas terras altas, com rajadas até 110 quilómetros por hora, rodando para o quadrante oeste a partir da tarde e pequena descida da temperatura máxima.

As temperaturas mínimas vão variar entre os 04 graus (na Guarda) e os 12 (em faro, Santarém e Lisboa) e as máximas entre os 10 graus Celsius (na Guarda) e os 17 (em Faro e Santarém).

Por causa da agitação marítima, o IPMA colocou hoje toda a costa portuguesa sob aviso amarelo até sexta-feira.

O IPMA prevê ondas de oeste com 04 a 05 metros, passando gradualmente a ondas de noroeste.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.