Até 1 de junho era David Neeleman quem mandava na TAP

A Autoridade Nacional da Aviação Civil está convicta que era o empresário norte-americano que controlava o grupo, em vez do empresário português Humberto Pedrosa

O presidente da Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC), Luís Ribeiro, afirmou hoje que pelo menos até 01 de junho, data da notificação de alterações ao consórcio Atlantic Gateway, o controlo efetivo da TAP estava nas mãos de David Neeleman.

"Até 01 de junho tudo apontava para que o controlo efetivo da TAP estivesse nas mãos de não residentes. Agora não sei", afirmou hoje Luís Ribeiro, na comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, referindo estar convicto que era o empresário norte-americano David Neeleman que controlava o grupo, em vez do empresário português Humberto Pedrosa, que detinha a maioria do capital do consórcio Atlantic Gateway.

Luís Ribeiro realçou que a missão da ANAC é garantir que é um nacional, de um estado-membro da União Europeia, que controla efetivamente a TAP, que para o supervisor é ainda hoje detida a 61% por um consórcio privado, uma vez que ainda não foi oficialmente notificada da alteração ao negócio realizada pelo Governo de António Costa.

"Neste momento, e a partir de 01 de junho, é uma questão que ainda estamos a estudar", adiantou, referindo a data em que foram remetidos à ANAC "alterações substanciais da operação feita pelas transportadoras (TAP e PGA, agora TAP Express).

Já as medidas cautelares que limitam a atuação da gestão da TAP, impostas pela ANAC, vigoram até à próxima quinta-feira (16 de junho), explicou, e "poderão ser prolongadas pelo prazo necessário".

"A necessidade ou não dessas medidas serem prolongadas é algo que está em discussão", declarou.

Já a nova configuração da privatização da TAP, em que os privados ficam com no máximo 50% do capital do grupo, ainda não existe para o regulador do setor da aviação: "Formalmente para nós não existe. Daí a necessidade de nos pronunciarmos sobre aquilo que existe".

Luís Ribeiro disse que com todo o trabalho que já foi feito neste processo não espera utilizar os três meses que tem ao dispor para apresentar conclusões.

"Imagino que durante o mês de julho ou no início de agosto possamos ter uma deliberação final. Mas posso estar a ser otimista. Tudo depende da análise da documentação que nos foi enviada", acrescentou.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.